Horse Riding II – A Dolorosa Experiência

Comentar

África África do Sul

Foi duro, mas descobri, da pior das formas, as desvantagens de trotear. Ou, melhor ainda, de ser um novato nisto de trotear. Não, não me refiro a trautear uma canção. Falo em trotear, montar, andar a cavalo.
O trio-maravilha da Lusa une-se no firme propósito de avançar mais uma fase no domínio da arte equestre e Sarah não tem alternativa a aguentar-se com a nossa ousadia.
Pela parte que me toca, no doloroso, mas estimulante balanço final devo confessar algumas feridas de guerra. É verdade que o terreno é algo acidentado, mas presumo que o problema esteja mais relacionado com a minha requintada arte de montar.
Entusiasmado, piquei o cavalo a acelerar e o Rubi faz-me a vontade. A excitação inicial rapidamente dá lugar a múltiplos “ui’s”, de cada vez que o meu corpo volta à sela que entala os meus… amigos.
Sonoros e longos “OOOOHHHHHHHHHWWWWW” é o que Rubi mais me ouve vociferar, com a determinação de quem tem algo dolorosamente “encravado”. À terceira ou quarta tentativa, decido-me pela típica fuga para a frente. Acho que será menos doloroso subir um degrau nesta arte até ao desenfreado galope. Duvido que seja tão traumatizante.
Entretanto, não posso deixar de recordar a beleza do cenário (desta vez saímos da quinta) e a curiosidade da nossa caminhada ter sido acompanhada pelos cavalos que não estavam selados, sempre, sempre atrás dos seus amiguinhos equídeos que têm a honra de transportar tão ilustres figuras lusitanas.
Saliento ainda o facto da nossa caminhada de uma hora ter sido seguida com curiosidade por uma série de babuínos. Sem duvida, uma sensação sui generis ter macacos a seguir os nossos passos, espreitando, curiosos, a cada árvore.

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code