“Super” Rony

América Central Nicarágua

“Como?? Todos a rondar os 40 anos e ninguém casado?? E sem filhos??”, disparou um incrédulo Rony, minutos após estarmos confortavelmente instalados no seu TIR.
Contamos-lhe como funcionam as coisas em Portugal. Que muita gente está a tomar essa opção de vida. Que a sociedade mudou.
“Sabem quantos filhos tenho? Adivinhem!”, desafiou.
Três? Cinco? Sete?
“Nove! Tenho 42 anos e nove filhos! Sabem de quantas mulheres, sabem? De três mulheres diferentes”, disse, com um sorriso tão inchado quanto o seu orgulho.
Sem se deter: “Sim, estou casado com a primeira. Com quem tenho quatro filhos. Depois distrai-me e fiz três filhos a uma mulher e dois a uma nicaraguense”.
Ficamos sem reacção.
“Foram dois períodos em que trabalhei uns tempos fora de casa”, justificou. Como se a desculpa fosse perfeitamente plausível.
“Como te permite a tua mulher ter mais filhos fora do casamento…?”. Nem sabíamos bem o que perguntar.
“Não teve remédio. Amochou. Importante é que tenha comida na mesa para ela e os meus filhos. Mas ficou furiosa comigo, claro. É muito ciumenta”, contou.
Rony diz conhecer as mulheres como poucos. E é assim que vai levando a vida.
“Elas são muito vaidosas. Podem estar furiosas connosco, mas levamos-lhes uns brincos ou algo assim e tudo passa”.
O nosso motorista de ocasião diz, com estranha vaidade, que tentou furtar-se à pensão de alimentos aos filhos. Mas que não foi possível. Uma pena…
Rony parou no tempo. Vive num conceito de mundo que nunca deveria ter existido. Num modelo que apenas pode persistir em países (e mentes) sub-desenvolvidos. .

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?