Tikal & Flores

Guatemala

Dois nomes que caminham unidos na “cua’temala”. Pela herança Maia. Tikal, um dos centros dessa fascinante civilização. Flores, cidade “suporte” a quem visita Tikal, uma outrora encantadora ilha artificial fundada pelos maias, destruída pelos espanhóis e reerguida pelos descendentes do que sobrou.
Chegamos a Flores pelas 12:00. Depois de umas seis horas de viagem. Que incluiu travessia de rio em barco. Na Guatemala, nem todos os rios são cruzados por pontes.
Depois de instalados, pequena volta pela minúscula ilha. Até que decidimos atravessar o lago. Era com vista privilegiada para Flores que desejávamos saciar as saudades de um bom peixinho.
Apetites satisfeitos, caminhada natureza adentro. Imagens esplêndidas do “mirador”. Em 360º. Hora de procurar praia. Fazemos várias tentativas. Estávamos quase, quase a desistir até que… o paraíso!
Tudo deserto. O lago só para nós. Sem areia, um pontão em madeira seria a nossa base. Nadar. Relaxar. Nadar. Liberdade. Nadar… até não haver luz natural.
Já vestidos, a lua guiou-nos pelos trilhos rumo à aldeia. De onde atravessamos novamente para Flores. Sabíamos que voltaríamos no dia seguinte, com mais tempo.
A manhã voltou a acordar cedo. Ainda sem luz e já estamos a caminho de Tikal. Um dos centros da grande civilização Maia, quando, no apogeu, esta chegou a ser de oito milhões.
Chegámos cedo. Pouca gente. Começamos por falhar a vista de crocodilos à entrada do parque. Mas conhecemos a senhora tarântola. Leve e felpuda. pegamos-lhe na palma da mão.
Várias ruínas. Muitas ainda cobertas por natureza. Ainda um vasto complexo por desenterrar. “Preferem explorar novas descobertas e deixar intactas estas estruturas ainda sob vegetação. São feitas de material facilmente deteriorável”, explicaram-nos.
Ouvimos a sua história. Ficamos a saber e perceber um pouco melhor a sua cultura. Tikal foi a capital. Havia mais quatro capitais maias.
Quase um milénio após Cristo, a intensa desflorestação – para queimar/trabalhar a pedra – trouxe consequências ruinosas aos maias. Atacada, a natureza deixou de providenciar alimento. Em consequência, os animais também fugiram. E a população foi forçada a dispersar. Séculos mais tarde, tornou-se mais fácil aos espanhóis conquistar estas terras.
Perdemos o autocarro de regresso. Amanhamo-nos com outro hora e meia depois. Estávamos atrasados para o momento alto do dia. Almoçados. Calções e bikini a postos. Negociar com barqueiro. Directos à nossa praia de eleição. Continuava a ser só nossa.
Garrafa de vinho do Porto já vinha desde viagem anterior. À Colômbia. José Luís não queria manter o peso na bagagem. Foi o aperitivo ideal antes de mergulharmos nas águas serenas de Petén Itza.
O tempo parou. Não sabemos por quanto, mas parou. E depois moveu-se. Até arrastar as estrelas para o nosso olhar. Cada um saboreou o momento à sua maneira. Não será esquecido. Seria o último a quatro.
O barqueiro esperava-nos a prudentes 100 metros.
O jantar foi na marginal. Num mini-festival gastronómico. A noite, a derradeira da Fernanda entre nós, acabou num bar com música ao vivo.
Os silêncios imperaram. Pela saudade que já se fazia sentir. E pela que viria, ainda mais forte. Também pelas sonoridades libertadas por veteranos músicos. Encantadoramente apaixonados pelo ofício. .

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?