Tags:

TRAKAI

Europa Lituânia


Majestosos – ou nem tanto -, os castelos são habitualmente brindados com vistas fantásticas. A regra é erigi-losem elevações. Não pela soberba da paisagem, mas a segurança e impenetrabilidade assim o exigiam.
Aqui, em Trakai, é tudo ao contrário. Este castelo conto-de-fadas inverte a regra: em cenário de ficção, é a paisagem que agradece este monumento ao bom gosto e feitos dos antepassados lituanos.
As vistas do castelo não têm comparação com o que vemos quando olhamos para a jóia de Trakai. O diamante supremo da Lituânia. Um cenário idílico. Irrepetível. O mais fotografado do país.
Olho e volto a contemplar. Uma e outra vez. Às vezes custa acreditar que existe…
Depois, meus olhos fixam-se no sereno espelho de água do lago Galvé. Quero absorver outra perspetiva desta obra prima. As torres deste admirável projeto refletidas em serenas águas…

Lagos. Ilhas. Natureza. Castelo. A somente28 quilómetrosde Vilnius, uma ‘ideia material’ que apenas parece imaginada, sonhada. Trakai é fruto do poderio do vasto Grão Ducado lituano dos séculos XIV e XV, na altura uma das maiores nações da Europa.
Agora a pequena cidade de Trakai simboliza “apenas” todo o encanto da Lituânia. Está rodeada de cinco grandes lagos, sendo que a região alberga 200 dos 6.000 espalhados pelo país.
Podemos relaxar nas suas praias. Alugar um barco e admirar, sem tempo, as paisagens de suster a respiração.
No verão, o castelo alberga concertos e concorridas feiras de artesanato. No inverno, o lago gela, mas nem por isso perde visitantes. Veste-se de palco supremo de todo o tipo de atividades no gelo.
Entretemo-nos com as tendas de souvenirs. Aproveitamos uma boa esplanada. Experimentamos a típica comida local.
Não deixamos Trakai sem apreciar as coloridas casas do povoado. Transmitem alegria e serenidade. Que nos acompanham o resto do caminho….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?