“Boas-vindas” a Moçambique

África Moçambique

A vertiginoso ritmo octogenária-tartaruga, o zeloso funcionário da emigração de Moçambique despachava os parcos “clientes” a uma velocidade alucinantemente... parada! Ainda por cima – oh que surpresa!! – os três portugueses, únicos turistas, ficaram para o fim.
“De onde vêm? Não foram à embaixada tratar do visto?”, questionou. Morais, surpreso, disse que não e que era natural fazê-lo na fronteira.
“Aqui não estamos autorizados a dar vistos. Devem voltar a Dar es Salaam”, retorquiu. JAMAIS, pensámos, em uníssono, quando debatemos o assunto entre os três.
O funcionário da emigração lá foi ligar para o superior hierárquico. Saiu da cubata e afastou-se uns 30 metros para uma zona em que alegadamente tem rede. Esteve ali uma meia hora a olhar para o telemóvel. Sem lhe vislumbrarmos uma tentativa de chamada, regressou ao posto.
“Somos jornalistas e estamos a fazer um amplo trabalho sobre esta parte de África e em Moçambique vamos falar com várias personalidades importantes, incluíndo o Ministro do Turismo. Se esses planos forem alterados, alguém terá de ser responsabilizado”, dissemos-lhe, com o mesmo ar solene, depois deste desautorizar os militares (sugeriram uma guia para tratarmos dos vistos em Pemba).
“Eles não percebem nada disto. E o funcionário da emigração sou eu”, marcou posição. Depois, quando viu que poderia ter problemas, mudou o ar superior para um mais dialogante e “disponível para ajudar”.
Algum tempo e paciência depois, lá tivemos autorização para prosseguir viagem até Mocimboa Praia, onde um pachorrento funcionário alfandegário apareceu para selar os passaportes (no caso do Batista, tudo foi feito sem a sua presença, pois este estava na pick-up a tratar que nenhuma mala evaporasse com o calor).
Ainda na fronteira, e quando já tínhamos subido para a pick-up, um fulano não identificado (vestido à civil) chamou-nos para a caserna (mesma cubata, mas divisão ao lado) onde observou os passaportes. Demoradamente.
Com um ar sério e grave (cheirava-lhe a dinheiro), tentou intimidar-nos. Abriu a porta – e janelas – a um suborno, mas, utilizando expressão bem lusitana, acabou por ganhar o mesmo que “a Maria no meio do milho”.
Antes, os militares também nos “convidaram” a entrar “para nos conhecermos melhor”. Tanta simpatia acabou, porém, por resultar em nada de nada em termos de “subsídios”. Resignados, deixaram-nos partir.
Como fomos os últimos a despachar-nos, adivinhem quem ficou com os piores lugares na ultra-apinhada pick-up? Sim, nós! Sentadinhos na parte de trás, entalados como podíamos e a vociferar contra cada um dos intermináveis saltos que a carrinha dava ao “voar” sobre terra firme (descobrimos ossinhos, doridos, que pensávamos não ter).
Dezassete (17) adultos e duas crianças. Muito pó. E magia. O tempo suficiente para pensarmos o quanto fantástico tinha sido tudo o que experienciáramos e continuávamos a viver.
Finalmente, Mocimboa da Praia. A povoação recebeu-nos com uma festa muçulmana. Um restaurante com colunas a berrar até ao infinito e a rua a virar automaticamente uma discoteca. Os miúdos (duas centenas entre os oito e os 12 anos) mostravam arte para brilhar em qualquer pista de dança do planeta.
Estamos, de novo, em casa.

(Viagem a África, 2009 – africatrio.blogspot.com)
.

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?