CRIME (LIVE)

América do Norte Estados Unidos

O primeiro impacto soa a porta automática mais do que enferrujada. Estamos a sair de supermercado e vou avançar com esta metáfora quando os gritos de espanto de Carla e Marcos direcionam o meu olhar para a esquerda: é o caos!
Há gente a correr. Há pessoas que gritam. Uns tentam ajudar, outros ficam inertes. Há surpresa e estupefação. Há pedaços de automóveis por todo o lado. E uma viatura que não tarda a incendiar.
Presumivelmente roubado, um carro é dirigido em contramão e surpreende duas outras viaturas. Embate na primeira, mudança de trajetória e acaba enfiado na segunda. Não pega, não anda. Mas fumega. E as chamas vêm logo a seguir…
A mulher no seu interior liberta-se do airbag que a protegeu e começa a correr, desaparecendo. A polícia chega instantes depois. Vinha, igualmente, em contramão. Moderadamente. Supostamente, em sua silenciosa perseguição.
Em menos de dois minutos – contados – quatro artérias são bloqueadas por 12 viaturas da polícia. Mais um minuto, chegam dois carros à paisana com detetives (os coletes, identificam-nos). Vem igualmente polícia em bicicleta. E, finalmente, dois carros de bombeiros que vão dar conta do fogo que ameaça alastrar.
Detetives arrancam de seguida deixando rastro de marcas de pneu no asfalto. As bicicletas seguem-nos. Ou tentam. Vão todos em sentido contrário à fugitiva. O condutor do segundo automóvel atingido desaparece. E a primeira vítima não sai do carro. Só mais tarde, quando amigo a vem ajudar, o abandona e desfaz-se em choro no seu reconfortante e longo abraço.
Não ouvimos “Take 1… and… ACTION!!”. É realidade e aconteceu na cidade que ficou famosa pelo crime. Chicago. Recordam Al Capone? Lá iremos….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?