Tags:

ASSALTO

Austrália Oceania

Há uns anos, quando ladeava a CM Porto rumo à Trindade, um toxicodependente abordou-me e, em pleno dia, ameaçou-me com uma seringa. Dizia que estava infetada com HIV e que nem hesitaria em espeta-la no meu braço se não lhe desse dinheiro. Indiferente (ou, talvez, inconsciente) preferi dar-lhe “duas de conversa”. Finalmente, viu que perdia tempo, balbuciou algumas palavras de desagrado e foi embora. Um assalto falhado. Na Austrália, os assaltos não falham. Pelo menos nos tempos correntes. Indiferente à hora e local. E ninguém bufa. Não adianta. É um facto que nos temos sentido impotentes para preservar a saúde financeira da nossa carteira. Ao contrário do que terá sucedido durante muitos anos, o custo de vida na Austrália (pelo menos na zona de Perth) tornou-se insustentável para um Europeu…. do Sul. Só para citar alguns pequenos exemplos, venham ao supermercado ver o que encontrámos: cerveja de lata (330 ml) a cinco euros, garrafa de água 1,5 litros a dois e meio e o quilo de beringelas e vários outros legumes a rondar os 12 (!!!) euros. Repito, em supermercado. Um jantar normal num restaurante mediano não fica por menos de 30/40 euros. E, obviamente, sem beber vinho. Naturalmente, não estão aqui incluídos as soluções asiáticas ou fast-food. A seca que assola a região da Western Austrália, que já dura há uma década, é o argumento utilizado para tão exorbitantes preços nos legumes. Explica apenas uma parte do problema, pois os preços proibitivos estendem-se a praticamente tudo. E o dólar australiano continua a valorizar. Vamos sofrer….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?