Rumo ao Sul…

Austrália Oceania

Finalmente, popó nas mãos. Sul é a direção. Margaret River. A região é tão famosa pelos seus cativantes vinhedos como pelas deslumbrantes praias, únicas para a prática do surf. Acabámos por dormir no Surfers Point, a 300 metros do mar. No meio de uma reserva natural. Não resistimos a um mergulho e papinho para o ar um par de horas. Depois conduzimos um par de quilómetros para norte, onde uma vista fantástica para o mar e natureza capta a atenção de umas três dezenas de pessoas, acomodadas em simpática relva, geralmente bem abastecidas de álcool. A noite é em torno do bilhar, contra uma dupla israelita da Mossad. Se não é, bem que parecia. A perda do primeiro jogo revestiu-se de humilhação da nação judaica, pelo que os nossos opositores cerraram dentes e limparam-nos o cebo, sem espinhas, nos dois jogos seguintes. Exibiram orgulho tal que parecia que Israel tinha ganho, novamente, e com ainda maior impacto, a Guerra dos Seis Dias. Amanhece e começámos por explorar umas das muitas grutas da região. Lake Cave tomou-nos uma hora. Interessante, mas insuficiente para verdadeiro espanto. Segue Yallingup, a nossa primeira paixão rumo a Norte. Uma pequena localidade junto ao mar (invariavelmente, paraíso para surfistas) constituída por um conjunto de casas tão diversas quanto belas. E perfeitamente integradas com a paisagem. Uma harmonia que enche o peito e satisfaz as nossas mais exigentes fantasias estéticas. Depois de um erro de casting – ida ao farol do Cabo Naturalista – almoço em Dunsborough. Com relvados tão “apetitosos”, optámos por fazer um pic nic. Frango tipo churrasco e três tipos de salada. As persistentes gaivotas não resistiram e montaram uma paciente “cerca”, imitada por um simpático e obediente buldog. Nenhum dos bichinhos teve sorte. Busselton e Bunbury deixaram boas impressões. Pena não haver mais tempo para as explorar. É hora de acelerar: Ainda temos de fazer as malas, pois esta noite partimos para Sydney..

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul e na Rússia ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?