Aoraki – Mount Cook

Nova Zelândia Oceania

Ao chegarmos ao Lago Tenako, queríamos fazer check-in imediato no hostel (com lindíssima vista para o azulíssimo lençol de água) para seguirmos de imediato para o Monte Cook. Excetuando os turistas de passagem, o Tenako não é propriamente um lugar muito agitado (como convém), pelo que só a partir das 15:00 poderíamos instalar-nos.
Cumpridas as formalidades, viajamos mais 90 quilómetros. Depois de chegarmos à base da montanha, tínhamos pouco mais de quatro horas de sol. Havia que ser rápido.
Já íamos inclinados a fazer o trilho do Hooker Valey e no gabinete de informação ao turista selámos a nossa convicção.
A ideia era subir e descer estreitos caminhos até ao glaciar Hooker (Aoraki, em maori), que no último século recuou alguns quilómetros nos Alpes do Sul, bem no centro da ilha. Esta é a mais alta montanha da Nova Zelândia (3.754 metros).
O facto de todos os aventureiros virem, invariavelmente, em sentido contrário – chegando, assim, ao fim do trilho – não nos demoveu, apenas nos motivou a apressar a passada. Com isso vieram alguns tropeções, sem consequências relevantes.
Atravessar estreitos passadiços de madeira era das partes mais emocionantes, pois sob os nossos pés corriam vigorosas e revoltas águas do degelo do glaciar.
Em redor, perfeição em 360.º. Sem qualquer manifestação humana, apenas luxuriante beleza natural. Melhor mesmo não estragar o cenário com palavras inúteis..

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?