Lucky guys

Austrália Oceania

“Não podem entrar sem este autocolante ao peito. Ponham-no e mantenham-se unidos. Vamos”.
Estas indicações deixam-nos confusos, mas, intrigados e curiosos, seguimos o simpático senhor.
Estamos à porta de um santuário de wild life a alimentar simpáticos e atrevidos pássaros multicoloridos. Discutimos se vamos mesmo entrar, pois 49 dólares “é dinheiro” e já tínhamos usufruído de experiência fantástica com peixinhos, aves e animais terrestres em Sydney.
“Está um a mais, mas não deve haver problema. Vamos a uma apresentação de 20 minutos e depois vamos ver crocodilos, koalas e Kangurus…”, acrescentou.
Nada contra. Apenas ficámos ainda mais intrigados. Começámos a pensar que algo está… errado. Há uma pessoa a mais no grupo, mas nós somos… três! Significa que outros dois tinham ficado algures…
Pegamos em cobras, sentimos a textura de um lagarto e vemos uma ave com enorme boca de sapo. No fim, como prometido, lá fomos aventurar-nos pelo parque, tão diversificado e grande que tem um pequeno comboio para transportar os visitantes pelas diversas zonas.
Leandro é brasileiro e estuda inglês em Byron Bay. Por ele, ficámos a saber que o grupo que integramos é formado por estudantes de todo o mundo que fazem o mesmo na sua escola. Como são de várias turmas, não se conhecem entre si.
Moral da história: fomos, de alguma forma, confundidos e só mais tarde percebemos o filme.
Aproveitámos a benesse, almoçámos com o grupo e depois seguimos a nossa vida, enquanto os estudantes voltaram no autocarro da escola para Byron Bay.
Inesquecível o cara-a-cara com kangurus, com quem “privámos”. Podemos tocar-lhes e, se quisermos, até abraçá-los. Quanto ao gigantesco crocodilo, não gostaria de o encontrar num rio. Os koalas dormem umas 20 horas por dia e são muito lentos e pachorrentos, para não gastar a pouca energia que a sua pobre dieta lhes fornece. Ainda assim, somos felizardos e vemos vários em ação. Incluindo crias.
Sabendo o que sabemos agora após a visita – que incluiu múltiplas aves, cobras e diversos outros animais – os 49 dólares seriam muito bem aplicados..

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?