Tags:

Pesar e… Brisbane!

Austrália Oceania

Ainda não estamos refeitos pela forçada opção. Não nos conformamos com o sacrifício, mas não temos muita escolha. Queremos ir a Arley Beach e às Withsunday islands, mas o tempo escasseia e achamos que 14 voos são mais do que suficientes nesta aventura.
Marcámos o próximo destino (em breve saberão qual) e fizemos uns 100 quilómetros de comboio para norte, pois vamos visitar Brisbane, de onde voaremos depois.
Disseram-nos para sair na Roma Station. Optamos pela Central Station. Rapidamente, percebemos que deveríamos ter seguido os conselhos. Voltámos uma estação para trás, com o mesmo bilhete, já depois de termos passado o torniquete de saída. Sem prevaricar.
Saindo da estação e virando à direita, andámos uns 10 minutos até encontrarmos boa parte dos hostels de Brisbane. Caro por caro, optámos por um com piscina no topo.
Depois de gozarmos um merecido banho com uma vista panorâmica muito agradável para a cidade, decidimos explorá-la a pé. Como em quase todo o lado, novamente muito bem impressionados. Uma animada “baixa”, um fantástico museu (ainda por cima, gratuito), atravessámos o rio e deparámo-nos com um conjunto de piscinas, algumas dotadas de areia de praia.
A cereja no topo de um excelente dia surge já no fantástico parque da cidade, onde largas centenas se dedicam a manter a forma. A correr, andar de bicicleta ou a praticar inúmeros desportos.
Andámos quilómetros sem fim. O sacrifício não acaba aí, pois é complicado acabar com os dois quilos de gelado que começamos a atacar ao almoço. Sei que vou ressacar desta delícia no regresso a Portugal…
O despertador acorda-nos às 04:00. A vida recomeça….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?