Tags:

Finalmente, Bali

Ásia Indonésia

Até à Europa e resto do Mundo, apenas chegam imagens de estonteante beleza. Bungalows sobre cristalinas águas guardados por esplendorosas palmeiras, vulcões imponentes, SPA’s que nos levam a outra dimensão... No terreno, Bali não é apenas o conto de fadas que é vendido. Aquele sonho inigualável. Optamos por Kuta. Onde atracam boa parte dos australianos e alguns japoneses. Os europeus vão para outras zonas da ilha, asseguraram-nos. Ficamos a compreender porquê…  O 100 Sunset Resort revela-se excelente escolha. Apanhamos um apartamento por um terço do preço habitual (investimos “apenas” 75 euros por noite para um amplo e luxuoso espaço com varanda para a deliciosa piscina). O pessoal do hotel, do mais simpático possível. À parte disso, um cocktail de oferta à entrada, bem como uma massagem aos pés, a receber junto à piscina, sob uma queda de água. Tiramos o devido proveito das instalações geridas por um jovem francês. Legian é a rua onde todos vão parar. Bares, discotecas, restaurantes e lojas sucedem-se a ritmo vertiginoso. Tal como os turistas. Aliás, foi aqui que há uns anos um atentado matou mais de uma centena. Uma das vítimas era portuguesa.
No local foi erguido um memorial com o nome de todas as vítimas. Que o monumento seja fotografado, tudo bem. Agora que as pessoas se metam na fotografia com um sorriso de orelha a orelha (não vejo o prazer de recordar dessa forma um acontecimento trágico) é que já ultrapassa a minha compreensão. Adiante…A temperatura da água do mar varia entre sopa e chá. Debatemos apaixonadamente o assunto, sem qualquer cientifica conclusão. Limitámo-nos a gozar o momento. Giro o facto de ser proibido nadar, sem que praticamente haja ondas. Fazemos ouvidos moucos. Divertimo-nos à grande..

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul e na Rússia ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?