Beleza Interior…

Ásia Indonésia

Bali é como os humanos, também tem beleza interior. E é motivados por essa vontade de descoberta que alugamos carro. Com motorista. Acabamos por perceber que é, sem dúvida, a melhor opção. Nas estreitas e sinuosas estradas, não há regras. Vale tudo. Todos ao monte e fé nos três deuses hindus (a Indonésia é maioritariamente muçulmana, mas Bali é uma ilha também em termos religiosos). Ubud é opção para um turismo de desprezo pela praia e devoção à natureza. Como tudo na ilha, já muito comercial. Demasiado. Interessante a experiência com os macacos (às centenas num parque central, sem vedação e em contacto permanente com os visitantes).
Um dos atrevidos no Mandala Wisata Wenara Wana nota volume no bolso dos meus calções e tenta roubar o que suporia ser comida. Não consegue. Ajudo-o e liberto-o do botão-obstáculo. Apenas encontra colorido mapa de Bali. Não fica desapontado. Aliás, mais dois macacos vêm disputar a relíquia, que segundos depois já está rasgada em múltiplos pedaços.Os terraços de arroz também são muito interessantes, embora seja uma paisagem “pequena”. É um feliz oásis na ilha em que é difícil ter privacidade. São dois milhões de balineses num espaço pouco maior do que o nosso Minho. Em Kintamani, um vulcão imponente desliza suave até a um lago em cujas margens se situam pequenas, mas deliciosas povoações. Também aí, o comércio está ao rubro, com vendedores de rua a perseguir os turistas na tentativa de despachar qualquer coisa. No meio de todo este encanto, pena que aqui também impere a corrupção da polícia. Nas barreiras por onde vamos passando, lá vai ficando uma nota.“Senão, criam-me problemas constantes sempre que aqui passar”, confessa-nos o motorista..

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?