Uma nesga rumo a casa…

Europa Itália Médio Oriente Qatar

No concorrido aeroporto de Doha – a Qatar airways ganha cada vez mais adeptos pelo Mundo – sobram indicações de “delayed” (atrasado) no painel das partidas. Tememos o pior. Sabemos que por essa Europa sobram aeroportos fechados devido ao mau tempo e são aos milhares os que estão retidos, sem poder viajar. A Sofia e o Paul, que chegariam no mesmo dia que nós, estão retidos há três dias em Londres. Muito humildemente, prescindimos de igual sorte. Essa não é, certamente, a melhor forma de terminar esta viagem. Ao todo foram 14 voos e empenar logo no fim é castigo imerecido.  A nossa escala é em Milão. E sabemos que o Norte de Itália costuma boicotar em força quem viaja de Inverno. Os olhos crescem mais atentamente para o painel e, algo incrédulos, esboçámos um sorriso. Bem tímido. Será que vamos mesmo ter sorte? Escapar por uma nesga? A verdade é que à hora prevista, estamos a fazer o check-in. Está a correr bem, mas nada impede que a situação mude quando estivermos nos céus da Europa. “Está tudo calmo. Nem sequer há neve”, queixa-se o Carlos, minutos antes de Malpensa nos estender a pista. “Olha melhor, pois é impossível. Vais ver que quando descermos um pouco mais não faltarão mantos brancos”, respondo.E assim é. A zona de Milão está completamente branca. Vale-nos que às 05:30 os deuses ainda dormem, tal como a sua fúria. Escapamos de ventos e tempestades e pousamos serenamente num imenso manto branco. A primeira parte do problema está resolvida. Agora há que deixar o Terminal 1 e correr para o Terminal 2, onde nos espera um voo Easyjet. Operação bem-sucedida. Mesmo com a confusão festiva de vários “tiffosi” do Inter, que esperam no aeroporto a equipa que se sagrou campeã do Mundo. Juntos, estamos autorizados a transportar 60 quilos. Malvadez, levamos 60,1 kg. Rimos com vontade. A menina do check-in não acha assim tanta piada. Nem quando, prestáveis, nos voluntariamos a retirar 100 gramitas de uma das malas. Há quem não acorde de bom humor…Com pequeno atraso, partimos. Os próximos passos em terra firme já serão no Porto….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?