NAO INVENTES, JOHNNY!

África Etiópia

O acordado com a agência rent a car deixa de ter valor nem cinco minutos após estarmos na viatura. Explicamos que queremos ir a Axum, no norte, e voltar em quatro dias. E o desvio, imprescindível, a Lalibela. O nosso prestável motorista discorda tanto de uma como de outra opção.”Isso não se pode fazer. E não o farei. Não temos tempo. E a estrada para Lalibela é má. É melhor voltarmos para a agência”, vocifera. Já a marcar território. Nada que não estivéssemos avisados. Alugar viatura na Etiópia é mesmo um pesadelo. E os motoristas acham sempre que mandam e decidem o destino. Pelo menos, tentam. E com agressividade.Dois telefonemas, discussão acalorada e 30 minutos depois, voltamos a estrada. Com promessa de bónus de 100 dólares caso estivesse feliz no fim da viagem, Daniel convence-o a partir. E a conduzir mais um par de horas, uma vez que se recusa a faze-lo à noite. Insiste que é proibido. Que teremos de parar para pernoitar em uma hora. Doido varrido. Quando se fala em cifrões, condescende.
Dormiremos em terra erma. E atrasa-nos quase uma hora na partida, na manhã seguinte. De tarde, não fosse a atenção do Daniel e Lalibela não passaria de um sonho. “No problem”, diz, quando forçado a voltar atrás e mudar direção.Entrando na estrada má, faz uns 50 quilómetros em três penosas e irritantes horas. A pé, íamos seguramente mais rápido. Ultrapassados por todo o tipo de veículos. Recusa-se a acelerar.  O 4×4 é dele – uma boa lata, refira-se – e trata-o com demasiado esmero.Em Lalibela deve estar pronto para partir em duas horas, após Bill Sorridente e Daniel visitarem as igrejas. Quando terminam, diz que não segue caminho. São três horas a passo de caracol e anoitecera. Discussão não o dissuade.Afinal, vamos ter última ceia a três, antes de nos separarmos. Falo, com ele a sós e, súbita e impetuosamente, muda de ideias. Num repente, decide avançar. Partilhando os riscos com Daniel e Bill, tarde demais, quarto já pago enquanto falávamos.Continuou a ser um problema e sei que acabaram na esquadra em Adis Abeba. Relatarei mal saiba os detalhes.Jonhnny Johnny….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul e na Rússia ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?