Tags:

Geórgia & Arménia

Arménia Geórgia Médio Oriente

Esta mania de dar novidades antes de partir é um desnecessário stress. Acima de tudo porque parto em menos de duas horas, ainda não tenho a mochila feita e há assuntos pessoais importantes a resolver. Trabalhar sob pressão é uma “bênção” dispensável, mas com a qual costumo lidar com algum à vontade. Thats the problem…
Geórgia e Arménia há muito que estão no meu radar. Surgiu a oportunidade… agarrei-a. Isto de adiar sonhos é uma chatice. Melhor realiza-los de uma vez por todas.
Aos desafios insistentes para partilhar as aventuras, abri-las a um pequeno grupo, acedi com a elaboração de um “dinâmico programa indicativo” (melhor não quererem saber o que significa). Inesperada e sentida surpresa: Esgotei as vagas no mesmo dia que o divulguei…
A responsabilidade de tornar cinco amigos tão felizes quanto eu soa-me interessante. Desejo proporcionar-lhes um desafio com estímulos diversificados – aventura, história, cultura, gastronomia, incertezas… – para que um dia, em novo assomo de loucura, desejem e convençam outros a calcorrear novamente comigo alguns cantos menos trilhados deste nosso mundinho.
Um cavalheiro e quatro donzelas completam o grupo. A sua apresentação, natural, virá com a fluidez das histórias. Ou quando for mais conveniente. Não há regras na escrita. Isto é um prazer. Se for “obrigação”, lá se foi boa parte do estímulo.
Presumo que já todos estão prontos e entusiasmados. Como não quero que ninguém espere por mim, vou atacar a parte menos cativante: uma mochila light, que cubra algumas das minhas necessidades elementares em viagem.
Seguimos juntos?
PS: A partir deste texto inaugural, todos os que aqui chegarem têm o “cunho” da Sandra Lobão, mulher inigualável, sem igual, e que (incompreensivelmente) tem a virtude dos grandes corações do planeta. Resultado, desinteressadamente, faz tudo pela felicidade alheia. Também me toca em sorte. Obrigado. Mil vezes e eternamente, obrigado.
.

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul e na Rússia ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?