Red Square: curiosidades‏

Europa Rússia

Para que conste, o nome da Praça Vermelha nada tem a ver com o comunismo, nem com a cor dos tijolos em seu redor. Trata-se tão-só do nome dado à catedral de São Basílio. Um termo russo – красная (krasnaya) – que tanto pode significar “vermelho” como “bonito”. Mais tarde, foi transferido para a praça adjacente, algo que terá sucedido no século XVII.
Como já referi, os 700 metros nos quais se espraia por 130 de largura tornam-na numa das maiores praças do Mundo, além de uma das mais belas e emblemáticas.
Com aproximadamente uma dúzia de palácios e igrejas, o Kremlin é um armazém vivo de oito séculos da história e cultura russas. As suas muralhas – de quase 2,5 km de comprimento, com 19 metros de altura e 6,5 metros de espessura em alguns pontos – têm 20 torres e portões. Durante anos, o Kremlin foi uma fortaleza para os czares. Depois, centro de comando para o partido comunista. Agora, a casa do presidente russo.
Tendo como uma das principais referências o campanário octagonal de Ivan, o Grande – com 80 metros, já foi o prédio mais alto de Moscovo -, o Kremlin é uma “caixa” de joias com palácios e catedrais.
Em russo, a palavra kreml significa “fortaleza”. Muitas cidades do país têm o seu próprio Kremlin. O de Moscovo foi inicialmente uma fortaleza de madeira, construída em 1156 por um príncipe.
Muitos dos palácios e catedrais – que fazem a essência da Rússia, criando regularmente uma atmosfera de conto de fadas – começaram a ser construídos apenas três séculos e meio mais tarde, quando Ivan III trouxe arquitetos de Itália. Esses designers estrangeiros unificaram os estilos russos e importaram as ideias renascentistas para criar a Catedral de Assunção, a Câmara das Facetas e as muralhas e torres de tijolos do Kremlin.
Em frente ao Kremlin, a Catedral de Assunção é a sua igreja principal. Os czares eram coroados sob as suas cúpulas de ouro. Pinturas cobrem as paredes, que primeiro foram douradas para dar a ideia de um manuscrito iluminado. Ícones sem preço, de tempos como o século 15, brilham na agradável luz. O trono de madeira de Ivan, o Terrível, de 1551, está guardado com todo seu elaborado e esculpido esplendor. O túmulo de cada líder da igreja russa até à era soviética está nas capelas.
No campanário adjacente ao de Ivan, o Grande, há 21 sinos, sendo que o maior era tocado sempre três vezes para anunciar a morte de um czar. Na parte exterior, numa base de granito, fica o Sino Czar, que, com 200 toneladas. É o maior do Mundo. Mesmo nunca tendo sido tocado….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul e na Rússia ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?