Egito vs turismo

Egito Médio Oriente

Nunca tanta diferença senti no tratamento entre locais e estrangeiros. Os primeiros, como gente de quem se deve desconfiar. Potenciais contrabandistas, até provaem contrário. O aeroporto, quase todo com bagagens esmiuçadas na saída “nada a declarar”. Nós, como visitas há muito esperadas. Sem submissão, mas com todos os facilitismos do mundo. Uma autoestrada de serenidade em ambiente militar. E não foi apenas pelo belo sorriso das cinco graciosas mulheres que me acompanham ou pelo charme do cavalheiro que se juntou à ‘última’. É assim o ‘novo’ Egito. Mais do que nunca, turismo ou o atrofio completo. Porto-Lisboa-Londres-Cairo foi um ZZZ que nem zorro desdenharia. Demasiadas horas. É tempo da Egyptair voltar a ligar os países. Via rápida, já!! Como costume, amigos e familiares testaram a minha resistência nas críticas ao destino escolhido. Já deviam saber que é verboem vão. Não adianta. Fará parte do ritual. Só penso no que me vai fazer amar este país.Não vim para fazer turismo. Para isso não apostaria neste roteiro no Bornfreee Experience II. Apetece viajar. Desde os faraós aos turbulentos dias atuais. Entender o trajeto do Egito. Mergulhar nos seus mistérios e sair daqui mais rico: terei mais para dar.Seguimos juntos?.

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?