Tahrir

Egito Médio Oriente

O arame farpado em todos os seus acessos revela que é lugar sensível. Exército mascarado. Atento. Presença que anuncia intimidação, se for caso disso. Não é. Por agora. Abordagem quando fotografamos belo edifício público. Os seguranças não gostam. Atropelam-se na nossa direcão. Mas são cordiais. Nervosismo continua latente. Os últimos anos não têm sido fáceis. Instabilidade social e política. Sucessivas mudanças de poder. E de protagonistas.A praça da revolução já não é a mesma. Tudo parece diferente. A começar pelos  “caixotes” que implantaram no seu peito e dificultam ajuntamentos populares. Como uma operação plástica em que tudo foi feito para que…corresse mal. Desconfiguraram-na. Tiraram-lhe a alma.Agora, tudo mais calmo. Mubarak, ditador de décadas com o apoio e complacência do Ocidente, caiu em aguada sentença. O eleito Morsi foi deposto pelo descontentamento do povo e pelas armas do exército. A sua irmandade muçulmana parece ter-se dissipado. Está mais serena. Certamente, não resignada. E isso deixa tensão latente no ar. Nunca se sabe qual o próximo passo. A loucura que aí vem. A solução do exército no poder parece mais pacífica. Sisi tem beneficiado das sucessivas convulsões que cansaram os egípcios. O mal menor parece ser amplamente aceite. Parece…A praça tem andado calma. Apenas se agita no caótico trânsito da maior metrópole de África. Não tem o charme de outras praças revolucionárias. Não lhe sinto encantamento. Que parece escondido no museu egípcio, ali a seus pés… .

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?