Saladino & Cidadela

Egito Médio Oriente

O seu nome é mítico há seculos. Assim será pela eternidade, nomeadamente a muçulmana. Sobram façanhas que o imortalizaram. Foi o “campeão” da Guerra Santa. O herói de um ciclo de lendas, que percorreram todo o Médio Orientewikipedia.org/wiki/Oriente_m%C3%A9dio”> e se espalharam pela Europa. Os seus feitos são lembrados, admirados e celebrados até hoje pelos povos muçulmanos.
Forte protetor da cultura islâmica, Saladino não foi apenas um líder militar, pois sobressaiu igualmente como excelente administrador dos seus domínios. Estranha ou curiosamente, ‘conheci-o’ na minha meninice. Em misteriosas histórias de terras distantes, habitualmente associadas a religião,  transmitidas oralmente. À minha querida avó materna o devo.
Entre outras obras, Saladino mandou reconstruir a mesquita de Al-Aksa em Jerusalém. E, no que agora nos interessa, ordenou a construção da Cidadela do Cairo. Chegou o momento de ver parte da obra que o tornou uma lenda.
Estamos na zona mais emblemática da capital do Egito. O lugar no qual viveram, durante 700 anos, os governantes destas exóticas paragens. Saladino e a sua sagacidade guerreira e política iniciaram o projeto da Cidadela, numa colina do Cairo, em 1176. As muralhas chegam a ter 33 metros de altura e 10 de espessura. Era preciso proteger a cidade, principalmente contra os cruzados. Portugal era jovem nação.  838 anos depois, um impressionante legado de mesquitas, museus, fortificações, casas, ameias… De herança diversificada, predominantemente Otomana. Os últimos a governar e que há dois séculos fizeram tábua rasa de boa parte da herança que os precedeu. A Mesquita an-Nasr Mohammed é o único edifício mameluco que resta na cidadela. E é aqui que, pela primeira vez, nos tentam ‘impor’ o Islão. Já la vamos… Logo ao lado, a mesquita Mohammed ali. Bem posterior. Do século XIX, estilo turco, e que se tornou símbolo do Cairo.
A Cidadela foi também palco de conspirações. Séculos delas. Era preciso uma vida para as contar. Destaca-se um banquete que Saladino ofereceu a rival e a centenas do seu séquito. No fim da noite, acabaram degolados. Ainda assim, Saladino sempre foi recordado como um cavalheiro. O Museu da polícia habita na Cidadela (tal como os Museus do Palácio, Militar Nacional e o Carriage) e retrata história do crime no Egito. Dispenso. Já temos demasiado no nosso Portugal de brandos costumes. E o de colarinho branco nunca merece a atenção devida.As fortificações oferecem vistas únicas sobre o caos do Cairo, recortado no horizonte por cúpulas e minaretes. Detenho-me a apreciar. Há tanto por explorar….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?