Min-ga-la-ba, Birmânia!!

Ásia Birmânia

O espesso “nevoeiro” que a industrialização da China produz também turva os céus da vizinha Birmânia. É, por isso, apenas quando o avião baixa altitude que começo a descortinar o solo. Curiosamente, em surpreendentes reflexos dourados. Vejo verde. Testemunho lagos. Cascatas. Um primeiro vislumbre que logo me entusiasma com o país. Natureza pura. Sem sinal humano.
Depois, o verde alterna com o castanho árido. Nesta altura, as temperaturas chegam facilmente perto dos 40. Um par de meses antes, os tons seriam mais cativantes. Entretanto, casas térreas. Cada vez mais. A pista aproxima-se e o A330 afaga o asfalto.
Entrar neste misteriosos país é mais fácil do que o suposto e habitual. Tenho queda para as complicações. Não é o caso. Não fica qualquer história para registo futuro. O ‘evisa’ custou 50 dólares (em embaixada, que não há em Portugal, são apenas 20), mas dá-me via verde para avançar.
O táxi é negociado em dois minutos. Quinze depois entendo o caos de trânsito de Yangoon. Em 30-40 minutos o hotel. E logo encontro quem espero: os meus amigos Daniel e Ana. Em périplo pela Ásia, ajustaram o roteiro para explorarmos, juntos, este país fantástico.
Estamos quase de saída…  .

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?