KALAW

Ásia Birmânia

Uns 300 quilómetros feitos em ‘escassas’ oito horas. Interminável. Estafante. E com paragens sucessivas. Ainda bem que escolho o transporte expresso. Uma saga sem fim e que, já em montanha, em somatório de curvas e contracurvas. Há anos que não enjoava…
Mais uma vez, o transporte deixa-nos no hotel. Aqui é assim. Serviço VIP a toda a hora. Um cuidado que poupa tempo e a moléstia de voltar a negociar para novo transporte. A nova vaga de turismo faz com que alguns não tenham bem a noção do que pedem por determinados serviços.
Esticar as pernas e primeiro contacto com Kalaw. Uma aldeia de montanha de colonial estilo inglês. Um paraíso para o trekking e exploração das várias tribos de montanha. E para nos abastecermos de tentador artesanato…
O livro de que falava? Bom, é uma inspirativa história de amor passada entre 1950 e a atualidade, na qual um bem-sucedido advogado de Nova Iorque desaparece subitamente, sem deixar rastro. A esposa e os filhos não fazem ideia o que se passou, até um dia encontrarem uma carta que o marido escreveu há muitos anos a uma mulher birmanesa a qual nunca tinham ouvido falar. Esta história, na qual se baseia o livro “The Art of Hearing Heartbeats”, de Jan-Philipp Sendker, passa-se aqui, em Kalaw.
Uma aldeia de montanha de colonial estilo inglês. Um paraíso para o trekking e exploração das várias tribos de montanha. E para nos abastecermos de tentador artesanato….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?