Primeiro impacto

Azerbaijão Médio Oriente

Mal se sai do aeroporto, impossível passar ao lado de largas dezenas de polícias. Trajados ao mais glorioso estilo da antiga União Soviética. Com imponentes chapéus. Altivos e com cara de poucos amigos. Em perfeito ‘pendant’ com o estilo embrutecido que exibem. Parece-me que esperam um bando de criminosos. Esquecem que personificam a primeira imagem que o visitante tem do país. E que estes I Jogos Europeus são uma dispendiosa tentativa do discutível presidente Ilham Aliyev poder mostrar ao Mundo a sua alegada democraticidade (que não existe) e capacidade organizativa de grandes eventos internacionais, que terá muito de questionável.
O projeto azeri mobilizou muitos (demasiados) milhões em recursos e parte deles foram para novíssimos autocarros e BMW’s em série para a polícia. Os primeiros, transportam-nos nas novas autoestradas para a “Media Village”, ao lado da dos atletas. Os segundos, são batedores que, na verdade, mais do que ajudar, parecem empenhados em ser o mais fiel dos radares, raramente ultrapassando exasperantes 50 km/h.
Estou a viajar há quase 24 horas quando chegamos, bem à hora do pequeno-almoço. Não sem antes passar pela zelosa vistoria policial. Também aqui, uma sui-generis operação de charme: a fatiota nada tem a ver com o estilo pesado que habitualmente caracteriza as forças da ordem, e que já tivemos a oportunidade de ver, antes substituída por um cinza claro desenhado pelo mais elegante estilista italiano.
Na verdade, impossível ser maior, o charme. Pena os modelos não estarem devidamente adaptados ao estilo. Há quem caiba na graciosidade que estes obrigam, mas também há quem tenha apenas um botão apertado… prestes a explodir. As mulheres, algumas com saltos altos e a roupinha bem colada ao corpo. Imagino-me a prevaricar, só para ver como uma agente me conseguiria apanhar…
O check-in é confuso, mas rápido. No dia seguinte, seria pior. Estamos todos no 11º andar. Calhou-me o apartamento 69. Tem apenas dois quartos. Enormes. Um com wc interior. Companheiro da SportTV tem mais sorte no sorteio. O meu, tenho de sair da enorme habitação para o hall de entrada. Nada de grave.
O sol irradia uns luminosos 30.º. Calções e t-shirt, imediatamente. Não há tempo para respirar, pois, desta vez, é mesmo para trabalhar.  .

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?