Tags:

Más Puro Verso, livraria vestida de poesia

América do Sul Uruguai

“He dormido en cien islas en donde los libros eran árboles”
Lawrence Ferlinghetti
Gosta de livros, aprecia arquitetura, deleita-se com boa comida? Então está no lugar dos seus sonhos: Más Puro Verso. Eis uma das livrarias do Mundo que mais prazer me deu conhecer. Ainda embeiçado por ‘El Ateneo Grand Splendid’,em Buenos Aires, deparo-me com outra obra-prima, de igual em beleza, embora menor na sua dimensão fisica.
Um verdadeiro tesouro histórico no centro de Montevideu, na pedonal e famosa rua Sarandi, entre a Plaza Constituicion e a Puerta dela Ciudadela. Asua porta está, por vezes, tapada por artistas e artesãos, pelo que convém estar atento, já que todo o seu interesse está no interior.
Dos melhores lugares para horas de tranquilidade em edifício de ‘art nouveau’ de 1917, encerrado e abandonado em 1999 e que em 2008 renasceu, finalmente, em forma de arte, na roupagem de Más Puro Verso.
Madeiras, ferragens, piso… tudo foi preservado. É tudo original. Impressionam as escadarias em mármore, que ao cimo se dividem para ambos os lados do piso superior, onde há mais livros… e cativante café Lounge. A comida é boa e os preços não assustam. Se não está na hora de comer, um café ou momento intemporal com bom copo de vinho…
O lugar transporta-nos a idos tempos e tem uma atmosfera que nos vicia. Ótima para relaxar da exploração da cidade. E personifica o meu ideal de livraria. Se todas fossem assim, acredito que muitos mais seríamos os apreciadores desta singular arte.
Na mesma Sarandi, temos a El Aleph, com livros amontoados e na maior desorganização, ainda assim uma delícia. Tal como na não muito distante rua Bacacay, na qual quatro míseros metros de montra apresentam a La Lupa..

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?