ROCHA E… REGRESSO A PORTUGAL‏

América do Sul Uruguai

A apenas cinco quilómetros do fantástico Parque Nacional Santa Teresa, no qual se destaca o forte português com o mesmo nome, temos a Laguna Negra, que alguns rebatizaram de Laguna de los Difundos... Trata-se de uma reserva de 182 km2 de água doce e pura, com profundidade máxima de cinco metros.  Beleza natural pincelada de vacas e pássaros coloridos, numa tela que ganha outra dimensão ao por do sol…
E é com estas tonalidades que nos vamos despedindo do Uruguai, não sem antes visitar Rocha. Não um qualquer monólito, mas uma das cidades mais antigas do país, que se aproxima dos 30.000 habitantes.
Galegos e asturianos, em busca do El Dorado na Patagónia argentina ‘encalharam’ na costa uruguaia. Uma situação transitória que, para a maioria, se transformouem definitiva. Estávamosem 1793 e a ideia das autoridades foi também criar ‘civilização’ entre Maldonado e Santa Teresa, que pusesse ordem na desordem do território. E assim foram aproveitadas muitas famílias ainda sem poiso fixo.
Entre as suas ruas paralelepípedas, encontramos edifícios de características ecléticas, sobressaindo o Art Deco e o modernismo.
A arborizada e serena Praça da Independência, a igreja de Nossa Senhora dos Remédios e alguns museus são os principais pontos de interesse de um povoado que, ainda assim, se esgota numa manhã. Isto sem esquecer o emblemático teatro 25 de maio, datado de 1910 e que muitos consideram a mais emblemática obra da cidade: recuperado em 2007, mantém intacto o seu estilo arquitetónico italiano. Destaca-se pela forma de ferradura e excelência acústica.
O Puerto de los Botes, um pitoresco povoado de pescadores próximo da cidade também justifica uma visita.
Estamos em contagem decrescente para o regresso a Portugal. Regressaremos a Punta del Este, devolvemos o carro e apanhamos autocarro para Montevideu. A última noite exige uma bela ‘parrila’, num dos mais emblemáticos restaurantes da cidade. Queremos despedir-nos com estilo de um país menos exuberante do que a Argentina, mas pleno de motivos para ser visitado.
O regresso a casa, com o sistema de vídeo do avião avariado, serve para reviver memórias de várias semanas de deleite pelos vizinhos sul-americanos, com princípio na remota Ushuaia, na Terra do Fogo, e com passagem pela Patagónia, Glaciar Perito Moreno, Buenos Aires, Colónia de Sacramento, Montevideu, Cabo Polónio, Punta del Diablo…  .

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?