Marselha, a donzela reinventada

Comentar

Europa França

Old port, Marseille, FrancePreparados para uma viagem no tempo? Marselha, cidade gaulesa de grande glória passada, é isso mesmo: uma aula de história. Com um novo ‘sotaque’, magrebino. O grande porto do Mediterrâneo há muitas décadas que foi porta de entrada para o sonho Europeu de emigrantes das ex-colónias Marrocos, Argélia, Tunísia… e como tudo mudou!
Esta não é uma escapadinha de fim de semana, mas 12 horas em Marselha não são de desperdiçar. Pelo contrário!DSCF8312 Há uns bons anos que não visito a mais antiga cidade de França (600 AC, fundada por gregos de Phocaea), a segunda maior logo a seguir a Paris, pelo que será excelente oportunidade de a sentir novamente.
O objetivo é claro: escalar a cidade até à soberba Basílica de Notre Dame de la Garde – anseio pela sua incrível vista panorâmica -, deambular pelo soberbo velho porto, calcorrear mercados, (re)apreciar arquitetura, experienciar bairros com atmosfera de pequenas vilas e aproveitar as benesses gastronómicas da porta de entrada para a Provença.
A cada 20 minutos saem autocarros do aeroporto para a estação central de comboios/autocarrosDSCF8325 de Marselha, que serve perto de um milhão de habitantes neste privilegiado interface para toda a região. A Gare Saint-Charles, só por si, merece o cuidado do olhar.
Marselha exibe pequenos tesouros a cada esquina, desde o bairro histórico de Panier, passando pelo bairro de arte alternativa Cours Julien, sem olvidar as inúmeras igrejas Romanas. No mercado de Noailles sente-se a azáfama do quotidiano marselhês, com os mais genuínos protagonistas. As especiarias, o exotismo do norte do continente africano ganham crescente peso na atmosfera…
A zona do velho porto (“Vieux-Port”) é digDSCF8305na de um belo sonho: foi totalmente remodelada pelo conhecido arquiteto Norman Foster, numa cidade progressivamente redesenhada com obras dos não menos famosos Zaha Hadid, Kengo Kuma ou Stefano Boeri.
Passeando junto às águas mediterrânicas, o velho porto é um dos locais mais frequentados. No coração da cidadela, atrai tanto os locais como turistas. É dos mais incríveis lugares da cidade. Desenvolveu-se ao longo dos séculos e, graças a Luis XIV, foi  aumentado com a edificação dos dois fortes à entrada, o de Saint-Nicolas e o de Saint-Jean.
A uns minutos a pé, sempre a subir, o Palácio de Longchamp (século XIX) é um sumptuoso teatro de água, polvilhado com esculturas sem fim: alberga os museusDSCF8280 de Belas Artes e de História Natural.
O Conte de Monte Cristo, do imortal Alexandre Dumas, é uma das minhas obras favoritas. Desde sempre. E a ilha de If faz parte da lenda. Fortificada em 1524 e transformada em prisão de Estado em 1634, albergou muitos notáveis. O único que me interessa? Edmond Dantès.
Não visito a ilha, mas vislumbro-a perfeitamente desde a “Notre Dame”. Um longo ziguezaguear para lá chegar, porém a recompensa é colossal. Pela infraestrutura em si, mas, sobretudo, pela ampla panorâmica sobre Marselha. E lá está If, a mais pequena ilha do arquipélago…
Apetece esticar as pernas nos trilhos do parque nacional de Calanques, não fosse o tempo (neste caso, as horas contadas para o avião) não o permitir. Há uma dúzia de museus que também terão de esperar por um próximo regresso à que foi capital europeia da cultura em 2013.
O que mais me custa? Perder os “calanques”, verdadeiros paraísos azul-turquesa em torno de Marselha, bem como estar tãoooo perto de recompensadoras escapadinhas a vilarejos como La Ciotat, Cassis, Martigues ou Gordes.

 

calanque

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code