Soller, Turismo & Fiesta

Comentar

Espanha Europa

20160423_133650As ruas surgem-nos desertas e o estranho pouco movimento leva-nos, ainda assim, todo ao mesmo lugar: a praça central. É festa. Esplanadas, mercado de artesanato. Muitas banquinhas. Doces. Musica. Muita gente, não demasiada. Cor e entusiasmo em puro ambiente de “fiesta”.
A principal rua comercial, pedonal, vendeu-se ao turismo. É às grandes marcas. De genuíno, apenas o belo traço das casas. Que poucos reparação, tal a ansia do consumismo. Emigrantes ricos regressados no início do século XX apostaram em belos exemplares ‘Art Noveau’ que o comércio vai camuflando.
Atras da igreja Sant Bartomeu, amigos e família animam com momento musical. As gaitas de foles imperaram. Pandeiretas, complementam o meu prazer auditivo.
Há gente por todo o lado. Pena que hoje o elétrico histórico não faça o seu usual trajeto para a vizinha e costeira Port Soller. Entende-se o constrangimento. soller
Detenho-me com septuagenário à janela com o seu cão, bem mais jovial. É quem nos aconselha o restaurante. Enquanto nos conta a rotina à janela, junto com o seu simpático e dedicado companheiro.
“Todos os dias estamos à janela as 8:00 e hora do almoço. As crianças passam por aqui rumo a escola e no regresso a casa. Não dispensam uma festa no cão, nem este resiste aos seus mimos”, confessa. Antes de nos contar a história, já a minha mão se tinha desdobrado em carícias no seu bem tratado pelo.
A conversa está convidativa, porém ainda há muitos desejos para cumprir hoje. Soller é turismo no coração, trajado por um vale rico em citrinos e oliveiras. Abriu-se para um museu dos ilustres Picasso e Miró. Mas estão fechados, pelo que é hora de avançar. E Formentor é cabo que me faz pensar em Adamastor…

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code