Cantares (Espanha, Andaluzia)

3 Replies

Poesia do Mundo

Vinho, sentimentos, guitarra e poesia
fazem os cantares da pátria minha.
Cantares…
Quem disse cantares disse Andaluzia.

À sombra fresca da velha parreira,
um moço dedilha a guitarra…
Cantares…
Algo que acaricia e algo que dilacera

“A nota aguda” que canta e o “baixo’ que chora…
E o tempo calado se vai hora após hora.
Cantares…
São marcas fatais da raça moura.

Não importa a vida, que já está perdida,
e, depois de tudo, que é isso, a vida?…
Cantares…
Cantando a dor, a dor se esquece.

Mãe, dor, sorte, dor, mãe, morte,
olhos pretos, negros, e negra a sorte…
Cantares…
Neles a alma da alma se verte.

Cantares. Cantares da pátria minha,
quem disse cantares disse Andaluzia.
Cantares…
Não tem mais notas a guitarra minha.

Manuel Machado

Poeta e dramaturgo espanhol

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

3 comments

  1. Sandra Lobão

    Um sorriso sincero, uma tarde de calor, um copo de vinho, um pátio interior dos muitos que existem e são a alma de Sevilha e este poema faz guardar a memória da Andaluzia na geografia dos lugares a voltar na vida!!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code