A minha mais doce Transnístria

18 Replies

Europa Moldávia

Não lhe sobram muitos dentes e o seu rosto exibe marcas de uma vida que não pareceu fácil, mas nem isso lhe rouba o sorriso. Maternal. Obviamente, não entende uma única palavrinha do que lhe tento dizer.

Achará piada ao facto de insistir numa conversa que, no seu íntimo, sabe não ter muito por onde se lhe pegar. Mas entra na ‘dança’. Responde-me em russo. E imita-me em alguns gestos, sempre guiados por umas mãos de quem fez do trabalho a vida. A amiga junta-se à cavaqueira e completa o cenário. Rimos por tudo e por coisa nenhuma. Não estarão muito habituadas a este inesperado. Por estas bandas não há muito turismo e o pouco que aparece não é suposto ser ‘assim’.

“Rui” é palavra que devo evitar em russo. Dependendo da forma como o pronuncio, corro o risco de ser rude. Indelicado. Digo-lhes que sou o “Batista”. Podem tratar-me assim. Assentem com a cabeça. Alina e Valentina, a dupla de resistentes septuagenárias que me embeiça.

Como as nossas avós de aldeia, Alina usa um lenço na cabeça, que não é negro. Camisola com borboto, sob um pequeno casaco sem mangas, também avermelhado, e um avental em tons de castanho. Valentina aposta nos castanhos e beijes, num corpo mais débil em cima de inesperadas sapatilhas brancas. Usa gorro, camisola de gola alta, gabardina e um avental por cima que combina na perfeição com a sua companheira de luta. Ambas são vendedoras de rua. À moda antiga, sem qualquer luxo.

Alina é uma artista, sobra-lhe criatividade no ofício. O que poderei dizer quando alguém cruza dois carrinhos de bebé, adapta um tampo por cima e assim tem uma banca móvel pronto-a-vender? É verdade que não tem muito. Peixe seco, uma espécie de queijo, legumes em calda, uma cerveja de litro e uma balança. Comparada com Veronika, soa a bem-sucedida comerciante. Mais modesta, a sua ‘sócia’ tem apenas um caixote de cartão virado com algumas monocórdicas peças de cebolinho em cima. Juntas, proporcionam-me o diálogo que recordo com mais carinho, na minha passagem por Tiraspol.

Atrás de ambas, há um sonolento cão refastelado no meio da estrada. Pachorrentamente, segue o burburinho que atrapalha a sua rotina. Uma ou outra vez ainda levanta a cabeça, mas não se manifesta. Não se move nem late. E não me diz o seu nome. Tal como ficarei sem saber o nome de outra septuagenária que, não muito longe, alimenta a vida a vender jornais. Sentada, em aparente desconfortável banco, com os periódicos encostados a uma árvore. Os sapatos são castanhos. As meias pretas. Aposta numa saia azul e em sobretudo verde. O lenço na cabeça dá-lhe todo o colorido, em tons de castanho, laranja e verde. Não chego a abordá-la. Contemplo apenas o seu olhar absorto. Imagino a sua vida. Faço filmes mentais e prefira não saber a realidade. Vende um jornal. Pouco depois outro. Pega em todo o dinheiro e conta-o. Ali. No passeio. Torço para que não demore o seu regresso a casa.

Dois outros anciãos trocam galhardetes. Sentados em banco de jardim. Um, ainda mais velho do que o outro, parece artista. Longas barbas brancas a fazer ‘pendant’ com a boina preta. Ambos oscilam entre tristes cores escuras no discreto traje. Acredito que a conversa tenha uma paleta de tonalidades mais joviais.

A que vos descrevo é a minha Transnístria favorita. Aquela que jamais será adulterada. São postais de difíceis tempos soviéticos. E que já não vão a tempo – nem o quererão – de mergulhar em ritmos de vida capitalista que já assoma Tiraspol. Aliás, este é o grande e surpreendente contraste na capital da Transnístria, em que o tradicional e a modernidade ainda procuram o equilíbrio: aqui, o comunismo já anda de beijo na boca com o capitalismo.

 

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

18 comments

  1. Susana - Viaje Comigo

    São estas histórias as melhores que trazemos das viagens, das gentes que vamos conhecendo no caminho. Boa descrição e retrato de tantos reformados que ainda têm de fazer pela vida para terem o que comer. Boas viagens!

    1. Rui Batista Post author

      Obrigado, Susana 🙂 Felizmente, temos ambos a oportunidade de ir encontrando histórias destas pelo ‘caminho’… Bjksss..

  2. Simone Hara

    As minhas mais doces lembranças de viagem são aquelas em que me permiti desfrutar com os locais e conhecer as pessoas que ali moravam.
    Adorei a sensibilidade e poesia que você conseguiu incoprorar no seu texto

    1. Rui Batista Post author

      Giulia, sem o ingrediente especial de boas experiências com os locais, as viagens perdem muito do seu sabor e intensidade. Obrigado e beijinho

  3. VaneZa Narciso

    E quando se diz que a felicidade está em coisas simples, este post comprova isso. Até quando veremos esta simplicidade encantadora? Não sei, por ora, nos deliciamos com este texto. Parabéns!

    1. Rui Batista Post author

      VaneZa Narciso… SEMPRE as coisas simples 🙂 E as pessoas… Cruzamo-nos por aí 🙂 beijinho e obrigado

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code