Argel, arrebatadora viagem no Tempo

30 Replies

África Argélia

A menos de duas horas de voo, há um país que premeia quem enfrenta preconceitos religiosos e de segurança.

E recompensa quem foge do turismo de massas. Muito Património Mundial UNESCO. História milenar. Arquitetura sublime. Gastronomia surpreendente. Preços convidativos. E gente que nos faz sentir verdadeiramente em casa…

 

Foto: @Kitato

Estamos preparados para sair para a nossa primeira manhã em Argel, mas Nádia logo nos trava: “Então, não vão tomar o pequeno-almoço?”. Na verdade, tínhamos prescindido desta modalidade no Airbnb, pois desejávamos experienciar essa sensação de começar o dia nas ruas da capital. São as vizinhas da nossa anfitriã que não deixam. Diariamente, mandam bolos, compotas, pão ou qualquer outro mimo. Nádia não está sozinha na “responsabilidade” de fazer com que os seus primeiros hóspedes se sintam realmente em família. Como se tal preciso fosse. Saber receber é uma missão de todos. Nada como um país que começa por nos encantar através da bondade e simplicidade das pessoas.

Já nas movimentadas artérias, bastam meia dúzia de passos para mergulharmos numa metafórica Paris histórica e algo apocalíptica. Polvilhada por edifícios brancos com varandas invariavelmente adornadas de toldos azuis. A arquitetura está lá – ou não fosse o país dominado, até 1962, pela França – mas a decadência também. Desde a saída dos gauleses, não houve uma obra de reconstrução. Reabilitação é palavra desconhecida.

“No dia em que os franceses debandaram, as suas vidas ficaram presas a gestos do quotidiano que revelam a pressa em fugir”, conta-nos Nádia. “Um pouco por todo o lado, sobram exemplos de que a saída não foi planeada. Refeições inacabadas. Pijamas dobrados em c

Foto: @Kitato

ima da cama. Jogos de cartas suspensos. Deveres da escola a meio… Mil e uma coisas do nosso dia-a-dia abruptamente interrompidas, por uma urgência que mudou o país”, acrescenta a nossa anfitriã, num dos serões intemporais nos quais nos vai falando da alma da Argélia.

Nesse distante 05 de julho de 1962 muito aconteceu, além da independência do país. O fim de um ciclo para milhares pode bem ser o início de outro para outros tantos. Na Casbah, a cidade velha amuralhada, sem idade, nasceu uma bebé que simboliza a revolução. E que 54 anos depois está diante de nós, narrando-nos a sua Argélia ao sabor de delongado chá. Aquela à qual regressou há três anos e que não pretende abandonar até ao fim dos seus dias. A mesma que a prende às raízes, quando o marido está em missão diplomática francesa no Afeganistão.

Foto: @Kitato

ATREVIMENTO NAS ‘ENTRANHAS’ DE ARGEL

A curiosidade é mesmo a melhor forma de conhecer qualquer destino, este em particular. Uma discreta indiscrição que o entusiasmo muitas vezes faz derivar para incauta intromissão. Toda a porta aberta é uma oportunidade de encantamento. Cada edifício abraçado pela decadência, um mundo surpreendente. Estátuas. Pinturas. Azulejos. Frescos. Pátios. Varandas… Um autêntico museu nas entranhas de Argel. Recompensadora a ousadia para com portas entreabertas. Ou a confirmação de que estas estão, efetivamente, fechadas.

Numa das múltiplas vezes em que somos guiados pelo deslumbre, atingimos um terraço. O cimo do prédio tem construção clandestina. A mesma que polvilha todos os prédios em redor. “Quando, nos anos 90, o terrorismo dilacerou o país, houve um grande êxodo das zonas rurais para Argel, em busca de proteção, maior segurança. A cidade já estava lotada. Piorou. Houve que improvisar e assim Argel ganhou uma nova característica”, relata-nos Nádia. Quando os franceses abalaram nos idos anos 60, as habitações já tinham sido tomadas por argelinos. Invasão validada há uns tempos quando o governo exigiu um valor, “simbólico”, para que os títulos de propriedade se tornassem efetivos, legais.

Seguimos pela rua D’Isly na qual tudo é ‘vintage’: a farmácia Silhadi. Quiosques. Históricas lojas de fotografia. ‘Tascos’ com frescos no teto… e cavalheiros que nos trocam os euros a um valor bem superior ao cambio oficial.

Casbah, centro amuralhado que a UNESCO celebra  

Foto: @Kitato

A menos que inusitados receios os afastem de lugares degradados, a área mais histórica de Argel é imperdível. Trata-se da alma desta sociedade. Sempre a subir, por quelhos que nos desvendam história e nos transportam a uma envolvente viagem no tempo. Um sinuoso labirinto polvilhado de casas decrépitas e em ruínas, contrastando com o tipo de vida e tradições seculares que resistem. E persistem. Sem vacilar. Vamos encontrando ruas inteiras devotas a profissões específicas. Latoeiros, sapateiros, antiquários, costureiros, padeiros… Crianças que jogam à bola. Idosos que se deslocam lentamente. O muezim que chama para a oração. Há estímulos para todos os sentidos…

Foto: @Kitato

Há um artesão que sobressai. Pela loja. Pela formação que tenta dar aos jovens, “para que esta arte não se perca”. E porque a sua casa tem um terraço que nos brinda com uma das mais espantosas vistas. O nosso olhar não tem barreiras desde a alta até à baixa Casbah, passando por edificações mais elitistas, e desfalecendo no horizonte, no mar. Aquele que alberga um dos maiores portos de África.

Inesperada azáfama aqui no topo. Hoje roda-se um filme histórico. Que inclui soldados. Com armas de pau. Um fascino enraizado na população. Encontraremos destes brinquedos – bastantes são imitação perfeita – um pouco por todo o país. A Casbah vive como sempre o fez. É uma aldeia sem pressa – nem vontade – de perseguir a modernidade.

Foto: @Kitato

Um aprendiz do artesão cuja casa visitamos vai-nos guiando para que não percamos alguns pontos que entende interessantes. Até que, percebendo que estamos mais confortáveis em exploração solitária, se despede desejando-nos a melhor das experiências. E age de forma assertiva, para que não tenhamos dúvidas de que a sua companhia foi altruísta, sem nada esperar em troca.

Há uma prisão com muros fotogénicos. O exército não concorda com a nossa ousadia. Será a primeira vez que somos convidados a entrar numa esquadra para justificar as fotos. Não são possíveis, nem desejáveis. Devem ser apagadas. E somos convencidos a evitar repetir a iniciativa junto de instalações militares ou policiais. Ouviremos o mesmo várias vezes…

Incrédulos, deambulamos por uma realidade que nos parece virtual. Estamos embeiçados por Argel e não  encontramos visitantes estrangeiros. Em quase duas semanas de incontáveis quilómetros, a

Foto: @Kitato

penas uma família de gente de outras paragens a usufruir de esplanada. A ausência do turismo, que o terrorismo aniquilou nos anos 90, torna a nossa experiência ainda mais intensa. Genuína. Profunda. A Argélia já foi dos países mais procurados de África, mas agora ninguém cá vem para confirmar os inúmeros encantos do maior país do Continente: uma preciosidade para quem sonha com destinos estimulantes longe das massas.

A Casbah é um espaço fortificado de origem berbere. A de Argel foi fundada sobre as ruínas de Icosium, um pequeno interposto comercial criado por 20 amigos do mítico Hércules. Foi fenício, berbere e romano. Depois vieram os Vândalos e outros tantos se seguiram. Aqui encontramos várias mesquitas históricas como El Djedid (1660) ou a de Ketchaoua (1794). Ao lado desta, o Dar Hassan Pacha, que já foi a mansão mais antiga da cidade. O interior da casa foi reformado em 2005. Infelizmente está fechada ao público. Que seja por pouco tempo.

 

IMPERDÍVEL EM ARGEL…

Argel está encravada entre o Mediterrâneo e imponentes florestas montanhosas. Palácios otomanos, mesquitas mouras, arquitetura árabe, fortificações berberes, casas coloniais francesas, avenidas ‘parisienses’… tudo um pouco adorna um destino que se destaca também pela grande e a nova Mesquita, a Biblioteca Nacional, a Praça dos Mártires, o Museu Bardo e vários monumentos e fortes. Vagueando pelas suas artérias, descobrimos um verdadeiro museu a céu aberto, tal a quantidade de imóveis de interesse público.

Foto: @Kitato

A grande mesquita é a mais antiga da capital. Dizem que já existia em 1018. O interior é quadrado e dividido em corredores por colunas que são unidas por arcos mouros. A Mesquita Nova tem a forma de uma cruz grega e remonta ao século XVII. É rodeada por uma cúpula branca enorme e com quatro cúpulas pequenas nos cantos.

Afastada do centro, a Basílica Nossa Senhora de África é obra católica recentemente restaurada com história de culto repartido. Interessante e enriquecedora numa das colinas com olhar privilegiado para a baia de Argel. Regularmente, recebe concertos.

O vistoso edifício central dos correios é um dos empreendimentos mais característicos de Argel e, muito provavelmente, o mais bonito, sobressaindo os seus detalhes árabes. Felizmente, em bom estado de conservação, em local central, animado e concorrido.

Junto ao mar, o Bastião 23 é um antigo complexo de vários palácios unidos. Bem preservado, apresenta uma arquitetura e decoração que merecem apreço, tal como o museu e exposições que acolhe este Centro de Artes e Cultura do Palais de Rais. O último andar é especialmente interessante, com tetos em madeira talhada e pinturas à mão. A visão para o Mediterrâneo é sublime. Aqui viveram governantes. Shehrazade sentir-se-ia em casa…

A rua Didouche Mourad destaca-se pelos inúmeros restaurantes e cafés. É por aqui que passa boa parte da vida de Argel. Pitoresca, com árvores, comércio e edifícios belos e geralmente bem conservados.

Foto: @Kitato

O museu nacional Bardo é igualmente imprescindível. Um lugar recatado numa colina. Tem exibição de descobertas neolíticas, mas talvez lhe falte algo mais atual. Neste sedutor complexo árabe sobressaem os seus mosaicos multicolores. Seremos guiados, de improviso, por um (invariavelmente) simpático funcionário que exalta Linda de Suza. Não será o único argelino a surpreender-nos com o elogio à voz da emigração portuguesa em França.

A catedral do Sagrado Coração é um ícone arquitetónico do país. Magnífica, embora engolida pela voracidade urbanística. E com entrada que mais parece clandestina, por detrás de umas bombas de gasolina.  Funcionalista e com um teto que mais assemelha um reator nuclear. A área de cerimónia religiosa foi inspirada em tenda berbere. De fora, complicado descobrir um angulo para boas fotos. Nessa demanda, encontraríamos um prédio do mestre Le Corbusier, mas sem a vista desejada. Finalmente, conseguimos uma pequena visita à igreja. Foi o único sítio, em toda a viagem, onde nos pediram dinheiro…

Se procura um oásis que o isole da confusão citadina, então o jardim d’Essai du Hamma é a opção certa, aos pés do imponente monumento aos mártires. Este jardim botânico foi criado em 1832 com o intuito de drenar um pântano e cultivar plantas e árvores. São 140 hectares de prazer e espécies surpreendentes em ambiente de pura serenidade. Tem um jardim francês e um outro inglês. Estético e cuidado. Aqui também podemos usufruir de artesanato e comida. Ideal para passear, meditar, relaxar…

Foto: @Kitato

 

 

Ao cimo, de teleférico, grandioso memorial aos mártires. Obra emblemática e símbolo do imenso orgulho argelino. Na sua base situa-se um museu sobre a revolução e o domínio francês. Indispensável. Do outro lado da enorme praça, o bairro em pedra do arquiteto francês Fernand Pouillon.

Argel oferece aos visitantes um contraste entre o austero e o sublime, bem como um vislumbre intrigante sobre o passado, presente e futuro da Argélia. Que já está em construção com a maior mesquita de África e um novo aeroporto internacional em Argel.

*** EXCERTO DO TRABALHO BORNFREEE/KITATO PUBLICADO NA REVISTA ‘FUGAS’, DO JORNAL PÚBLICO, A 20 DE MAIO DE 2017 ***

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

30 comments

    1. Rui Batista Post author

      Juliana, o país é soberbo 🙂 Apenas um edifício está fechado, não a maravilhosa Casbah 🙂 Beijinho e boas viagens…

  1. Fabia Fuzeti

    Gostei muito de conhecer Argel pelo seu post… Pra ser sincera acho que nunca tinha me deparado com um artigo sobre a Argélia, que também está pertinho de nós. Os contrastes me encantam.

    1. Rui Batista Post author

      Tão perto e… tão longe 🙂 As distâncias estão apenas na nossa mente 🙂 bjks e boas viagens…

  2. Gabi Pizzato

    Oi, Rui! Interessante você ter trazido este destino até nós com tanta particularidade. Pouco ou quase nada ouvimos sobre a Argélia no Brasil. Show de contrastes, história e cultura. Obrigada.

    1. Rui Batista Post author

      Gabi, em muito poucos lados se ouve falar da Argélia. O terrorismo ‘moderno’ começou por lá e o turismo “sumiu”. Está na hora de voltar, pois o país é surpreendentemente estimulante… bjks e boas viagens…

    1. Rui Batista Post author

      Francisco, obrigado pela gentileza 🙂 Abraço e continuação de excelentes aventuras!! Avisa quando vieres à Invicta…

  3. Anderson Kaiser

    De fato, ouvimos muito pouco sobre destinos como Argélia. Mas adoro conhecer esses locais “menos famosos”. São locais como esse que transformam uma viagem. Ir além do comum, além do turístico. Bem interessante seu relato e o lugar também.

    1. Rui Batista Post author

      Obrigado, Anderson. E, acredita, subscrevo por completo a tua forma de pensar. Abraço e boas aventuras!

    1. Rui Batista Post author

      Angela, acredito que o teu espírito aventureiro se iria dar muito bem na Argélia 😉

  4. Rayane

    A primeira vez que leio sobre a Argélia e que leitura gostosa! Fácil de acompanhar e parece que estou viajando com vocês. Parabéns!

  5. Diana Contramapa

    Gostei muito do Casbah. Acabei de vir de Marrocos e encontrei muitos por lá! Realmente a Argélia, aqui tão perto, é um local que merece ser explorado. Parabéns pelo artigo no Fugas!

    1. Rui Batista Post author

      Diana… acredita que vais sentir (boas) diferenças entre os países 😉 bjks e boas viagens…

  6. Analuiza (Espiando Pelo Mundo)

    Ah! Quanto ardor nesse texto! Explorações como essas que vão além das rachaduras, da (aparente) decadência são as melhores! Descobrir o passado “em tempo real” é experiência marcante! Adorei cada passo e cada generoso e curioso olhar compartilhado. Ana

    1. Rui Batista Post author

      Analuiza, sempre com um olhar “profundo” e interessado pelo Mundo… também gosto muito como os teus “olhos” o vêm… bjks e boas viagens..

    1. Rui Batista Post author

      Obrigado, Lulu. Quando penso em Argel, lembro-me de Havana (onde nunca estive). Acredito que tenham a mesma beleza decadente…

  7. Carolina Belo

    Rui, como sempre, sua forma de relatar os destinos é excelente. Minha visão sobre a Argélia era completamente deturpada. Por isso, acho fantástico quando alguém vai e traz uma outra visão do que é passado para nós (mesmo quando o que é passado é bem pouco…). Parabéns pelo texto!
    Abraços,
    Carolina

    1. Rui Batista Post author

      Carolina, assim fico sem palavras 🙂 Obrigado pela gentileza. Beijinho e ótimas aventuras…

  8. Viajante Móvel

    Muito interessante seu post sobre Argélia. É a primeira vez que vejo um post sobre esse destino. Vc retratou o local com muita sutileza através das fotos. Gostei muito do post.

    1. Rui Batista Post author

      Christian, só tenho boas coisas a dizer da Argélia 🙂 Abraço e boas viagens!

    1. Rui Batista Post author

      Ótimo, Simone 🙂 A bota bate com a ‘perdigota’ 🙂 Abraço e boas viagens!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code