Terra de Neve (Japão)

Comentar

Poesia do Mundo

Natural desta região da neve, tinha assinado em Tóquio um contrato como futura gueixa, e não tardou a encontrar um protector que a libertara da sua obrigação, preparando-se para estabelece-la como professora de dança, quando, infelizmente, passados dezoito meses, o protector morreu.

Mas a partir do momento em que se estava a aproximar da existência que agora levava mostrou-se muito mais discreta. Sentia-se visivelmente pouco disposta a abrir-se sobre esta parte da sua vida, sem dúvida a mais atormentada. Confessou a Shimamura ter dezanove anos, mas ele estava mais inclinado a dar-lçhe vinte e um ou vinte e dois.

Não tendo qualquer razão para duvidar da sinceridade dela, ao saber da sua idade, e ao verificar que ela parecia muito mais velha, Shimamura sentiu como que um alívio e readquiriu essa espécie de à-vontade que sentia na presença de uma autêntica gueixa. Quando a conversa veio a incidir dobre o teatro kabuki, Shimmura apercebeu-se que ela sabia muito mais do que ele acerca dos actores dos diferentes estilos, o que lhe causou admiração. Mostrava-se bastante loquaz, falando com uma espécie de precipitação febril, como alguém que tivesse estado muito tempo do interlocutor desejado.

Yasunari Kawabata, Terra de Neve 

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code