Tags:

Irão: Seyed Mostafa Rahemi, o melhor da simpatia persa

26 Replies

Irão

Se a amabilidade tivesse um nome, Mostafa seria merecida homenagem.

Nasir al-Mulk, em Shiraz, é fé em tons arco-íris, contudo há cores ainda mais quentes, expressivas e envolventes do que as que celebrizam esta mesquita: falo de Seyed Mostafa Rahemi. Não é um monumento, é um personagem. Real.

Terei dado uns 50 passos para a esquerda desde que saí de um dos ex-líbris de Shiraz, uma das imagens que levam o Irão a todo o Mundo. Os raios de sol batem nos vitrais e seguem caminho do outro lado em mil padrões. Ainda deslizo em serenidade quando, em rua pacata, me cruzo com “A Luz”.

Tem mãos enrugadas, grandes e fortes. Dentes arranjadinhos e brancos. Orelhas proeminentes. E um distendido cabelo branco que envolve um rosto de pura simpatia. Este octogenário é um perfeito símbolo da ímpar amabilidade que encontramos por todo o país.

“Esta loja era do meu avô. Depois passou para o meu pai e há muitos anos que sou quem mantém a tradição da família”, diz-nos, com a ajuda de um tradutor improvisado. Certamente lamentará tanto quanto eu não falarmos a mesma língua. Infelizmente, a bondosa e paciente intermediação não evitará as naturais perdas na comunicação…

Acena a sua simpatia com um sorriso tão aberto quanto as suas convidativas mãos abertas. Um íman que nos atrai e seduz para a sua carcomida e poeirenta loja. É bem mais antiga do que a sua existência e vende retratos. De pessoas mais ou menos conhecidas. Sobretudo, anónimos. A preto e branco, claro está. E sem qualquer moldura uniforme.

Reparo que há muitas de Zurkhaneh, o desporto dos ancestrais guerreiros persas. Uma estilizada forma de arte marcial, 2.000 anos mais antiga do que Cristo, e que transforma qualquer mortal num homem de aço. Não havia alternativa nos campos de batalha, onde se enfrentaram homens e chocaram espadas, lanças e escudos. Não chego a perceber se o meu querido ‘amigo’ foi praticante ou apenas um profundo entusiasta, como se depreende deste espaço. Não interessa.

Ao balcão, pétalas de flores. Vivazes e odoríferas. Que vai oferecendo a quem passa. Não para cativar uma compra, mas para oferecer sorriso. E contar a sua história…

Fala-me em farsi, com o seu olhar a perscrutar a atenção do tradutor. Respondo em inglês básico, tentando que tudo lhe seja transmitido, sem ocular detalhes. Elogio o seu rosto. Enalteço a sua amabilidade. Louvo o seu espírito.

Agora, orgulhosamente, as suas mãos mostram-nos o seu primeiro passaporte. Um documento de outros tempos, digno do mais impressionante mural de relíquias.

“Em outros tempos, viajei com alguma frequência. Visitei muitos lugares bonitos”, diz-nos, este explorador de gerações idas. A ânsia de saber tudo, tudo deste cativante personagem esbarra nas dificuldades de tradução. Que isso não seja problema. A linguagem corporal existe para ser usada. Há que improvisar e refinar a arte de comunicar.

Antes que sigamos o nosso caminho, tem algo mais para nos mostrar. Recortes de jornais com a sua formosa imagem. De vários períodos no tempo. De seguida, e como que sugerindo que lhes imitemos o exemplo, passa-nos fotos com turistas. As que muitos lhe enviaram, depois de posarem a seu lado. Como, orgulhosa e agradecidamente acontecerá connosco. Primeiro, no meio de admirador grupo feminino, altura em que o seu olhar mais brilha. Posteriormente, com o quarteto masculino. Sem que a sua expressão perca luz, entusiasmo. Mais do que vender fotos, Seyed Mostafa Rahemi oferece afetos. Experiências do melhor que o incomparável povo iraniano tem para presentear….

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul e na Rússia ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

26 comments

    1. Rui Batista Post author

      Diego, é importante agora tentar um meio termo… preservar a beleza sem banalizar o lugar.

  1. Gabriela Torrezani

    Que bonita a história do Seyed Mostafa Rahemi, realmente conhecer esses “monumentos humanos” em viagens é o que realmente agrega e nos faz crescer, abrir nossas fronteiras e mente, entender outras realidades. Lindo relato!

    1. Rui Batista Post author

      Gabriela, são estas as experiências que mais me entusiasmam e marcam. Um país é, antes de tudo, o seu povo…

    1. Rui Batista Post author

      Era um passaporte de um tempo em que eu ainda nem havia nascido… e já tenho 48 anos 🙂 Muito respeito por este senhor, Angela…

  2. Ruthia Portelinha

    Estou certa que passarias uma tarde inteira com ele, se não estivesses no papel de guia. Para além de lhe enviares as fotos que captaram, compraste-lhe uma? Estou curiosa para ver a imagem que escolheste.
    P.S. as orelhas do senhor fazem lembrar as do Buda. Dizem que o Buda é representado com orelhas grandes porque uma das virtudes da compaixão é ser capaz de ouvir os lamentos do mundo…
    Abraço

    1. Rui Batista Post author

      Ruthia, não sabia essa do buda 🙂 Gira… Estou em falta, ainda não lhe enviei a foto. Mas é coisa para resolver nos próximos dias. Certa vez, no Uruguai, passei uma tarde com quatro avós com 70/80 e tal anos. Foi das melhores experiências que tive em viagem… e sei que me entendes 😉

  3. Christian

    Que linda história de simpatia, viajando conhecemos tantas histórias legais né, e no Irão deve ter também história linda como esse né.

    1. Rui Batista Post author

      Christian, os iranianos são o povo mais amigável, afável e generoso que conheço… preciso de dizer mais?

    1. Rui Batista Post author

      Fabíola, os iranianos são, realmente, mais do que especiais… um povo único. O Mostafa é apenas mais um belo exemplo…

    1. Rui Batista Post author

      Daniela, estamos totalmente de acordo 🙂 Nada como a partilha de afectos… são as melhores memórias…

  4. Clara Amorim

    Uma grande experiência como só tu saberias partilhar! Isto sim, é viajar!
    Grande abraço, Rui!

    1. Rui Batista Post author

      Clara, é ASSIM que gosto de viajar… não me imagino perder este tipo de encontros 🙂

  5. Andrea

    Que encontro bonito. Conhecer pessoas assim torna os locais ainda mais vivos na memória. Quanta história ele deve ter para contar.

    1. Rui Batista Post author

      Andrea, é de pessoas assim que são feitas as nossas ricas experiências em viagem… As que perduram, para sempre, na nossa mente.

  6. Liany Garves Nogueira

    Que linda essa história. Estou embarcando para o Irã em menos de duas semanas e não vejo a hora de ter umas histórias parecidas com essa para contar!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code