SEIA: Trekking – Quem não quer ir aos Cornos do Diabo?

Comentar

Em Portugal

Nas Aldeias de Montanha, na Serra da Estrela, há um trilho muito tentador…

Sim, a questão é mesmo essa: quem não fica tentado em conhecer os ‘Cornos do Diabo’ que dê um passo em frente. Eu sei, eu sei. A curiosidade é o melhor combustível para a ação, certo?

Assumo que este nome sugestivo foi o impulso para a escolha do primeiro dos vários percursos pedestres que fiz na zona das Aldeias de Montanha, neste caso no concelho de Seia. Foi esta maravilhosa região que escolhi no meu contributo para o projeto #EuFicoEmPortugal.

Chama-se rota da Caniça, é um trajeto circular de rurais 8,58 quilómetros em pleno estimulante parque natural da Serra da Estrela. Com início e fim na íngreme Lapa dos Dinheiros.

Esta aventura é muito diversificada em termos de paisagens, um dos seus principais estímulos: uma incrível variedade de verdes, vários desafiantes (não demasiado duros) ‘sobe e desce’ e uma multiplicidade de panoramas que nos atrasam, tal a vontade de as sorver. E inevitabilidade de as fotografar.

Partimos da igreja matriz da que é, provavelmente, a mais inclinada aldeia de Portugal e não tarda deixamos o asfalto para nos embrenharmos em direção a um belo bosque de árvores de folha caduca, no qual sobressaem inúmeros castanheiros. De verão, é tão refrescante quanto a praia fluvial na ribeira da Caniça, o próximo objetivo. Um lugar efetivamente agradável com diversos pontos, próximos, para aquelas fotografias que ficam no álbum das nossas melhores memórias.

No itinerário todo não me cruzei com 10 pessoas. Significa isto que tenho toda a paisagem só para mim. Tal como os relaxantes sons das diversas quedas de água e das aves que se embrenham nesta espécie de floresta.

A água é do mais cristalina e igualmente suficientemente fresca para nos fazer duvidar da coragem de nela mergulhar. Estamos num pequeno paraíso, pelo que pode ser uma boa possibilidade. Se o percurso for feito ao contrário dos ponteiros do relógio, torna-se, então, num banho ‘obrigatório’, ideal para remover o cansaço e nos deixar em forma para a parte final.

É hora de subir um bocado até encontrarmos uma grande e profunda levada, que só temos de ir seguindo. Não há modo de nos perdermos. Granito invadido por coloridas flores em trilho agora plano e arejado, ideal para retemperar forças. Este longo canal transporta as águas que escorrem pelos veios da serra.

Há uma indicação para trepar, a pique, a encosta, porém se o fizermos vamos falhar os ‘Cornos do Diabo’. É, por isso, importante ter a localização do seu ponto exato, para não desencontrarmos essa formação rochosa com esse compreensível nome. Junto a envolventes lagoas e cascatas.

Aproveitando – ou não – esta nova oportunidade de mergulho, seguiremos a ascensão até ao Sumo da Caniça, um respeitável buraco pelo qual corre a ribeira, escondida do nosso olhar sob imponentes blocos graníticos.

As paisagens serranas acompanham-nos e, depois de uma derradeira ascensão, é tempo de desfrutar a longa descida, pois já ultrapassámos os principais obstáculos e agora é deixarmo-nos deslizar até à Lapa dos Dinheiros, a uma altitude de cerca de 700 metros. Daqui, temos uma vista ampla para o vale e a plataforma do Mondego.

Aqui podemos apreciar diversos achados datados do neolítico à Idade Média, vestígios históricos tão raros quanto o azereiro, o mostajeiro e o azevinho que se espraiam pela zona.

 

Estadia sugerida na região: Casas da Lapa

#EuFicoEmPortugal

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul e na Rússia ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

code