BornFreee » Segurança em Viagem

Segurança em Viagem

Yanakuna-MitmacA primeira coisa que te quero dizer, é que não percas a noção do mais importante: o Mundo está repleto de gente boa, empenhada e determinada a ajudar o próximo. Principalmente estranhos, fora da sua zona de conforto. As situações de insegurança em viagem são uma esmagadora minoria em comparação com as ações de bondade de desconhecidos.
Bom-senso e as normais cautelas normalmente bastam para sucessivas viagens sem qualquer stress. Em 2016 completo 100 países no ‘cv’ e posso dizer-te que o maior problema de segurança que tive foi… na cidade onde vivo.
Os Media retratam a toda a hora atrocidades no planeta – a poderosa e perniciosa indústria do medo -, como se o Mundo fosse um perigo constante. Ignorância. Sem sentido. O desconhecido pode gerar insegurança e esta dá a mão ao medo. Não permitas que te moldem o cérebro. Deixa-te de preconceitos infundados.
Obviamente, o nível de segurança depende do destino. Naturalmente, há zonas mais tranquilas do que outras e, para que saibas, vives numa das mais serenas do globo. Segundo um estudo da ONU, Europa, Ásia e Oceânia são os lugares mais seguros, mais especificamente a Europa Ocidental/Sul, o extremo oriente e a Austrália. O mais pacífico de todos? O minúsculo Liechtenstein. Ao contrário do que provavelmente imaginas, Arábia Saudita e Argélia também são tomados como serenos destinos quanto à criminalidade.
Onde deves, então, ter maiores cuidados? Américas, nomeadamente a central. O Sul da África também não é o mais pacífico numa lista em que as Honduras ostentam o título que ninguém deseja.
Recorda-te que boa parte dos problemas acontecem por falta de atenção de quem viaja, que, inadvertidamente, oferece a oportunidade aos prevaricadores.
Dito isto, não precisas devorar uma pesada enciclopédia sobre medidas de segurança a adotar em viagem, pois não serás totalmente desprovido de bom-senso e estarás recetivo a seguir as cautelas normais.
As dicas que se seguem, servem apenas para te prevenires. Sem paranoias, pois são muito maiores as probabilidades de te acontecerem coisas extraordinárias em viagem.

 

ÁREAS IMPORTANTES A CUIDAR
(sem fundamentalismos)

 

ANTES DA VIAGEM

 

SEGURO
Nunca sabes o que te espera… E uns quantos euros a mais no orçamento podem ser o melhor investimento na tua tranquilidade acrescida. Quanto mais longa for a viagem, mais aconselhável se torna.
Mais ainda se levares equipamento caro, como material fotográfico, tablets ou portáteis.

 

 

 

DOCUMENTOS
Digitaliza TUDO: passaporte, cartão do cidadão, bilhetes de avião, vistos, alguma receita médica importante, seguros e cartões de crédito. Guarda cópia no teu email e envia para algum familiar/amigo. Uma segurança permanente, mesmo para quando estás em Portugal. Um gesto simples que te pode poupar muitas chatices, caso percas ou te roubem os documentos.

CONTACTOS
Se o teu roteiro de viagem já está traçado, partilha-o com alguns dos que te são próximos. Nomeadamente os contactos dos lugares onde vais pernoitar. Este gesto pode ser-te bem útil.

MALA OU MOCHILA?
Menos é mais. Nomeadamente em termos de peso, pois não há nada como viajar leve: recordo-te que encontras quase tudo o que precisas em qualquer ponto do globo.
Pessoalmente, prefiro a mochila. Gosto de ter as mãos livres. De ter maior mobilidade. Ainda assim, não dispenso pequena bolsa cruzada que vai colada ao peito e onde tenho as coisas mais importantes, como dinheiro e passaporte. Esta deve fazer parte do teu corpo. Habitua-te. Sempre à frente, não nas costas. Evita levar coisas muito valiosas. E, claro, tenta despir o ‘ar’ de turista.

SAÚDE
Dores de cabeça. Constipações. Diarreias. E já está. A menos que pretendas levar uma farmácia contigo – o que não aconselho – limita-te ao essencial. Ou tens um sherpa para te carregar a mochila?
Se pretendes ir para lugares complicados em termos de saúde pública, não sou eu quem te vai dizer o que levar ou fazer. Vai MESMO à consulta do viajante e segue à risca os conselhos/instruções. Confia em quem sabe, nos profissionais de saúde. Mesmo que os seus conselhos impliquem aumentar a volumetria da tua mochila.
Se tiveres alguma doença que exige maiores cuidados, não esqueças a receita médica. Até para eventualmente justificares alguns itens no aeroporto.
Se vais para lugares com características mais específicas, sempre podes informa-te mais detalhadamente sobre cuidados a ter. A internet é um excelente manancial de informação. Pesquisa sites como o da Organização Mundial de Saúde. http://apps.who.int/countries/en/

 

EM VIAGEM

DINHEIRO
Sempre junto ao corpo. E separado por vários bolsos ou pontos inacessíveis. Em diferentes montantes.
Nunca mostrar o dinheiro todo para pagar o que quer que seja. Sê criativo e ousado, sem precisar ‘engolir’ o dinheiro. O bolso da frente das calças (apertado) costuma ser tranquilo: é difícil uma mão entrar lá sem que te apercebas.
Ao usares as caixas multibanco, evita fazê-lo à noite. E privilegia áreas movimentadas, em centros comerciais ou dentro de bancos. Garante ainda que ninguém te está a observar.
Preferencialmente, não andes com muito dinheiro contigo. Dispensa-te a preocupações e sobressaltos desnecessários.
PERTENCES
Cadeado com código parece-me o melhor. A chave pode perder-se e é um foco suplementar de preocupação (experiência própria).
Usa capa protetora na mochila e, quando a deixas no quarto, guarda os itens mais valiosos no fundo da mesma.

SEGURANÇA ALIMENTAR
Beber água engarrafada nos países em desenvolvimento, nos quais deves evitar gelo nas bebidas, feito com água não purificada. Nos desenvolvidos, a torneira é tranquila.
Em lugares onde a higiene te suscite duvidas, e não tens alternativa, ingere apenas comida cozinhada.
Em ambientes que não controles, recusa bebidas/comida subitamente oferecidos por estranhos.

MULHERES
Se és mulher, alguns cuidados suplementares não te farão mal:
– Em zonas menos seguras, evita andar sozinha. Sempre acompanhada, até com malta que conheças em viagem. Principalmente à noite.
– Tem em atenção as culturas para onde vais e, por exemplo, entende as diferenças na forma como um sorriso é encarado.
– Estás de férias, relaxa com a ‘passerelle’. Quanto mais discreta, melhor: em termos de sinais exteriores de riqueza e exaltação da beleza, que pode cativar aproximações com motivos menos ‘católicos’.
– Um lenço pode ser o teu melhor adereço, já que te permite respeitar uma série de costumes e entrar em lugares sagrados cristãos, islâmicos, judeus, budistas, hindus…
– Bebidas oferecidas por estranhos? Obrigado, mas dispensa. Não sabes se podem conter algum tipo de droga. Esta pode ser das situações mais complicadas para as mulheres.
– Confia no teu instinto. Se não te sentes confortável numa situação, sai. Pede ajuda. Ou muda de planos. Sempre com ar sereno e autoconfiante.

DICAS “GERAIS”:

– Evita comprar numa cidade/país o que vais usufruir em outro lugar. Em muitos países, vai correr mal: não tens direito ao acordado e não vais voltar atrás na tua viagem para reclamar. Compra no local.
– Se fores assaltado, não resistas. Segue à risca as ‘instruções’. A tua vida é bem mais valiosa do que os bens materiais que possas perder.
– Em alguns países, respeita o ‘dress code’. Nomeadamente os islâmicos menos moderados, em que o véu é obrigatório para as mulheres e trajes curtos menos recomendáveis para os homens.
– Investe em capa protetora para a mochila, pois dificulta a missão de eventuais larápios.
– Prescinde do desnecessário ar de turista.
– Bolsa cruzada. É o que uso. Está sempre à minha frente. Preferencialmente, com abertura para o dinheiro e documentos colada ao corpo, pelo que só à (muita) força serei surpreendido. O porta dinheiro/documentos à cintura pode ser útil, mas já há ‘especialistas’ a contornar esse método de segurança.
– Atenção aos esquemas: quando um negócio te parece bom demais para ser verdade… é porque deve ser isso mesmo. Ou seja, um esquema. Poupa-te a essas ilusões.
– Num dormitório – ou lugares públicos – evita expor os teus pertences mais valiosos ou abrir a carteira repleta de euros.
– Quando sentires alguma insegurança, procura sair do lugar/zona. Passo assertivo e semblante confiante. O ‘medo’ atrai quem menos queremos. Tirar fotos pode não ser a ideia mais inteligente do dia.
– Quando viajares sozinho e pretenderes sair à noite, fá-lo acompanhado. Desafia alguém. Ou avalia, na receção, se a tua vontade é segura.
– Evita pedir boleia sozinho, pior ainda se em lugar ermo. Podes meter-te em desnecessários apuros.
– Beber em demasia ou consumir drogas não está entre as atitudes mais acertadas. Pior se estiveres em viagem, fora da tua zona de conforto. Pensa duas vezes antes de te deixares ir na onda…
– Vai informando os teus mais próximos por onde andas. Até o podes fazer com posts diários numa rede social ou através de eventual blogue no qual contas a tua viagem.
– Não tenhas todos os cartões de crédito/débito contigo. Podes guardar junto com o passaporte, na hospedagem. Em caso de roubo, tens aí uma alternativa.
– Respeita os costumes locais e evita mal-entendidos culturais.
– Não te metas em discussões, nunca sabes o nível de agressividade do teu interlocutor e os ditames da cultura local.
– Em alguns países, é preciso ter mais cuidado com a polícia do que com o resto dos cidadãos. E há ainda os falsos polícias. Se for preciso resolver algo, tenta faze-lo na esquadra.
– Há muito dinheiro falso no mercado paralelo (negro).
– Evita baixar a guarda. Quando nos sentimos mais seguros… relaxamos. E oferecemos a oportunidade.
– Algum incidente nas férias? Não tomes qualquer decisão importante sob stress. Nuncabornfreee farás o melhor para ti.

E lembra-te, sempre, da filosofia BORNFREEE: quando algo corre ‘mal’ até podes sofrer no momento, mas depois ficas com excelente história para contares.

Sem receios, faz a mochila e parte! O Mundo é um lugar fantástico para mergulharmos!!

Rui Barbosa Batista
Um mix de jornalista, líder e cronista de viagens, cumpri em 2016 uma centena de países no currículo. Cobri noticiosamente os Jogos Olímpicos na China, o Mundial de futebol na África do Sul ou os Jogos Europeus no Azerbaijão, mas o que me apaixona verdadeiramente são as pessoas e tudo o que (ainda) não conheço. Aventuras em inóspitos desertos, desafiantes glaciares, imponentes vulcões ou sublimes fiordes juntam-se ao doce prazer de cidades charmosas, países remotos e culturas exóticas. De tudo um pouco é feita a minha experiencia no globo. Continuamos juntos?