Milenar Suzdal…‏

Milenar Suzdal…‏

Suzdal é daqueles lugares que não se esquece. E que bem merece ser desejado uma vida. Não tanto pela beleza natural, que a tem, mas pela história, arquitetura. Pelo peso da atmosfera. Da sua indubitável capacidade de nos transportar no tempo. A uma era que começou em 1024. Sim, há espessos 1000 anos…
Sem dúvida, um dos lugares mais charmosos e tranquilos da Rússia. Tem caminhos que parecem vaguear sem destino, entrelaçados num impressionante número de fantásticos exemplos de arquitetura religiosa. Destacam-se, a meus olhos, as cúpulas (“cebolas”) coloridas e as estruturasem madeira. Já foi tempo em que esta pacata localidade – inevitável que o turismo a adultere – tinha 40 igrejas para… 400 famílias. Dá para imaginar?
As casas rústicas parecem imutáveis, presas a uma época distante. Os seus 10.000 habitantes andam sem correrias. O ambiente continua rural, bucólico. Há um rio. Riachos. Caminhos por asfaltar. Hortas e jardins. Cavalos e coches (no inverno as rodas são substituídas por esquis e mantas) que piscam o olho ao turismo. Como se não bastasse o facto de ser Património Mundial da UNESCO. E, provavelmente, o lugar mais desejado das oito cidades carregadas de história e arquitetura do anel dourado.
Mais do que uma tortuosa visita de um dia desde Moscovo (comboio de200 quilómetrospara Vladimir, mais meia hora de autocarro para cá – autocarro desde Moscovo pode ser um pesadelo de transito), Suzdal “sente-se” dormindo cá. Permanecendo. Percebendo e disfrutando as várias fases do dia. O sereno despertar, com crianças a banhar-se no rio. As tardes soalheiras com idosos a trabalhar a terra. O por do sol em tonalidades únicas. As cúpulas em sucessivas transformações de luz. E as noites de aldeia remota, um balcão privilegiado para as estrelas.
Deparo-me com dois mercados e há um terceiro em execução. À esquerda, aquele que os visitantes mais procuram, com as inevitáveis matrioskas. Tem os ímanes, moedas antigas, pins, pequena quinquilharia diversa de souvenires, gorros, roupa típica… O expectável. À direita, as bábshkas (avós) vendem as verduras que produzem. Sem o aspeto dos modernos supermercados, mas com todo o sabor. O paladar de uma vida dedicada à terra e aos seus frutos. As avós são queridas em todo o lado. Apenas muda o traje. Regalo-me com a magia da sua simples existência. Da sua tenaz presença…
Na praça de entrada da aldeia – talvez o lugar menos cativante do povoado, geminado com… Évora – hippies montam um mercado que se espreguiça em forma arredondada. Aplicados forasteiros a edificar uma estrutura em madeira para uma feira de semanas. Promete…
Em qualquer ponto da aldeia há algo para apreciar. Nem que seja o imenso céu em brilhante azul. Todo o imenso Património de Suzdal está em excelente estado de conservação. Os donativos dos fiéis são boa ajuda. Infelizmente, alguns espaços estão fechados. Abrem somente para a cerimónia religiosa. Isso deixa-nos tempo suplementar para desfrutar da paz e tranquilidade deste lugar.
Há quem o faça em pequenos “cruzeiros” (na verdade, parecem jangadas gigantes, com direito a cobertura) no rio. Nas suas margens, há famílias inteiras em intemporal pic nic. Há quem tome banho. Ouve-se jovem excitação, o único vestígio sonoro humano desta doce pacatez.
Eu? Dedico-me a uma espetada de salmão com legumes grelhados. Não é o prato mais típico da Rússia, mas é nestes contrastes que melhor entendemos a riqueza da diversidade. Acreditem, Suzdal terá tempo para me mostrar algumas das suas iguarias….

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).