África do Sul: MABONENG, o mais vibrante bairro de Joanesburgo

África do Sul: MABONENG, o mais vibrante bairro de Joanesburgo

Campo de futebol em Panyee

O que dizer de um bairro que respira sentimento de comunidade e aposta na criatividade para conectar pessoas e ideias?

maboneng bar

A maior evidência da transformação de Joanesburgo está em Maboneng, símbolo de inspiração no mais audaz bairro da cidade. É o distrito que atrai cada vez mais projetos inovadores num ambiente urbano que promove a integração e se revela, assim, cada vez mais atrativo para as pessoas viverem.

Maboneng oferece inúmeras oportunidades de entretenimento, incluindo lojas de autor e galerias de arte. Dispõe de restaurantes e bares sofisticados e tradicionais e até tem uma obra de arte emblemática do português Vhils, entre muita street art.

maboneng bar

Por estas paragens há sempre algo a acontecer, mesmo que chova, como é o caso. Estou num bar com a lareira mais estranha que já vi (repararam na foto?) e um simpático residente que não a larga, mal o frio aperta: sim, quem pensa que as baixas temperaturas não afetam África é porque nunca visitou este fantástico Continente.

“Quando chove ou tenho frio, não há melhor lugar no Mundo para se estar. Sempre com uma agradável leitura. Sente-se para dois dedos de conversa…”, atira-me Eric, quando lhe peço permissão para uma foto. Agradeço. E faço-lhe a vontade…

Nas ruas logo se percebe que estamos num bairro diferente, distinto. Não há muito trânsito, mas nem por isso podemos esperar uma condução que acautele a segurança de peões imprudentes. Arrisquei duas vezes e em ambas esteve para correr mal. Aqui não se trava para deixar passar quem não cumpre as regras. Fica a lição. Esta é a única ‘insegurança’ que encontro em Maboneng.

maboneng ubuntu

Um velho camião plantado no passeio é uma bela promessa do que vou encontrar. Um caricato bar que hoje está fechado. Uma pena, contudo o clima também não me permitiria usufruir da sua esplanada.

Por aqui há muito o que fazer e, depois de esperar que o céu despeje toda a sua ira, em intenso aguaceiro, começo a explorar alguns dos pontos mais icónicos do bairro, sendo que os meus olhos não se desviam dos inúmeros grafitti que lhe dão um colorido e personalidade tão distintivos.

Yvone Chaca Chaca é uma conhecida cantora, compositora e atriz. Para quem não sabe, é igualmente humanitária, empreendedora e professora! Não admira que tenha sido a escolha de Vhils para a obra de arte que o destaca na África do Sul. No alto de uma parede de frente para uma livraria na qual frases de famosos estão replicadas por todo o lado.

mabonent art

Protejo-me aqui da intempérie e aproveito para comprar um livro sobre a filosofia UBUNTU, nascida precisamente na África do Sul, e ligada igualmente à história da luta contra o Apartheid. Inspirou Nelson Mandela na promoção de uma política de reconciliação nacional. Bem antes, em 1944, quando criou o ANC, já estava presente no seu manifesto: “Ao contrário do homem branco, o africano quer o universo como um todo orgânico que tende à harmonia e no qual as partes individuais existem somente como aspetos da unidade universal”.

Amainou. É tempo de voltar à exploração. Uns metros depois, algo que nunca tinha visto em lado algum: um prédio feito de… contentores.  Encontrar habitação acessível é também um grande exercício de criatividade. O que já foi uma oficina de carros transformou-se e em 2017 tornou-se num dos edifícios mais icónicos da cidade. O primeiro do género na África do Sul.

maboneng street art

A chuva não dá grandes tréguas. Volta a cair abundantemente e, com isso, cria uma série de autênticos lagos, que tornam difícil a circulação, sobretudo para os peões.

Ainda bem que não é domingo, já que o Market On Main atrai multidões entre turistas e habitantes dos subúrbios, onde se inclui o bem conhecido Soweto, a uns 15 quilómetros e onde vivem cerca de quatro milhões de pessoas. Está localizado num armazém construído por volta de 1900 e tem estúdios para artistas, lojas e galerias.

maboneng boxe

Há uma altura em que se torna mesmo impraticável continuar e a rua até é cortada devido ao excesso de água: há um funcionário da autarquia que anda com uma espécie de engaço a retirar lixo das condutas de água, para que estas possam cumprir com a sua função.

Continuo a perder-me até que a fome me leva a um dos vários restaurantes vanguardistas de Maboneng, no qual me debaterei com uma deliciosa espetada mista de peixe e marisco, em dose com uma robustez típica da África do Sul.

Já vos disse que em 2018 a revista Forbes considerou Maboneng como um dos 12 bairros mais ‘cool’ do Mundo?

“Uma área proibida até ao final do Apartheid, em 1994, desde então transformou-se numa zona urbana animada onde a arte e a culinária florescem”, justificou.

Como é bom estar num lugar que evoluiu para um centro colaborativo de cultura, negócios e estilo de vida enquanto promove uma sensação de união urbana. Maboneng, uma visão transformada em realidade.

*** BORNFREEE viaja a convite da Embaixada da África do Sul em Portugal ***

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

18 Comments

  1. Camila Latorre

    Eric muito maravilhoso e que lareira diferente, parece um forno industrial! Eu tenho uma amiga que ama a africa do sul, mas acho q ela nao conhece essa regiao. Já mandei para ela o link! E eu não sei quando irei á Maboneng, mas quando eu visitar Joanesburgo com certeza vai estar no meu roteiro.

    1. Rui Batista

      Camila, que seja mesmo a tua PRIORIDADE em Joanesburgo, tal como uma inevitável visita ao famoso e renovado Soweto 😉

  2. Fabíola Moura

    Que descoberta mais inusitada e colorida. Uma vez em Joanesburgo, teria que incluir uma visita à Maboneng, um passeio pelas diversas caras da África do Sul.

    1. Rui Batista

      Fabíola, e esta “cara” é mesmo a mais bela e entusiasmante de Joanesburgo.

  3. Suriàn

    Que bairro incrível em Johanesburgo. Adorei as dicas e fiquei louca pra conhecer

    1. Rui Batista

      Suriàn, é mesmo um bairro INCRÍVEL 🙂

  4. Deisy Rodrigues

    Já me apaixonei pelo colorido do street art, já quero incluir no meu roteiro.

    1. Rui Batista

      Deisy, sou também um (verdadeiro) amante de street-art… aconselho-te a não perder :)))

  5. Ruthia

    Dica anotada sobre Maboneng. Adoro o trabalho do Vilhs e esse ambiente multicultural que busca a arte como fator de atração.
    Foi uma viagem e tanto
    Até breve, amigo
    Beijinho

    1. Rui Batista

      Ruthia, o Vihils tem um trabalho incrível… e deixar AQUI a sua marca torna Maboneng um lugar ainda mais especial. Ao mesmo tempo, para nós, portugueses, sentimos que fazemos parte da transformação deste fantástico bairro…

  6. Alessandra De Lima

    Muito bom seu texto, Tenho muita vontade de conhecer a África do Sul, e este bairro parece muito interessante, adoro esta arte de rua. Obrigada por compartilhar.

    1. Rui Batista

      Alessandra de Lima… e há muita mais arte de rua para explorar… apetecia-me não ir embora :))) Não quero saber de chuva e foi sempre a fotografar… 😉

  7. Lidiane Costa

    Adoro arte de rua e gostei muito de conhecer Maboneng em Joanesburgo. Um prato cheio para quem gosta de fotografia!

    1. Rui Batista

      Lidiane, agora com o covid-19, tenho ainda mais saudades dos tempos passados na África do Sul…

  8. Marcela

    Que maravilhoso esse bairro de Johanesburgo! Já inclui no meu roteiro de viagem por lá. Obrigada pelo post

    1. Rui Batista

      Excelente opção, Marcela 😉

  9. Fernanda Scafi

    Adorei a dica de visita em Joanesburgo! Adoro lugares coloridos assim, cheio de grafites! Conheci a África do Sul já, mas Joanesburgo foi só o aeroporto mesmo! Vendo seus posts dá mais vontade de voltar!

    1. Rui Batista

      Fernanda Scafi, tem mesmo de voltar!! :)) Maboneng vale mesmo uma visita..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).