Koh Panyee, a ilha flutuante tailandesa que os malaios ‘inventaram’

Koh Panyee, a ilha flutuante tailandesa que os malaios ‘inventaram’

Senhora em Panyee

Uma aldeia ‘edificada’ no mar em cenário paradisíaco na Tailândia.

rumo a Panyee

O ‘long-tail boat’ vai rasgando as serenas águas do Parque Nacional Phang Nga e surge uma mudança natural de predisposição mental: estou na mais cativante natureza, entre verdes luxuriantes e soalheiros azuis, e vou a caminho de um lugar invulgar que há muito povoa a minha curiosidade, Koh Panyee.

Terá sido uma meia hora no que é o único acesso a esta singular povoação, conhecida por albergar os “Ciganos do Mar”. Do que se trata? Se o título ainda não vos elucidou, eu explico – trata-se de uma aldeia flutuante, sem terra, construída sobre estacas, e recentemente ‘colada’ a um imponente rochedo.

E é esse enorme megalítico que começo por vislumbrar ao longe, enquanto me sento na proa do barco que, aqui e acolá, vai cruzando com pequenas embarcações de pescadores na sua suave missão de deslizar sobre águas de serenidade.

Mesquita de Panyee

A parte de trás deste lugarejo, o seu verdadeiro rosto e imagem de marca, é a primeira que vislumbro, mas será pela frente que ponho o pé em madeira firme. O crescimento do turismo mudou Panyee e a entrada faz-se pela nova e ampla área de restauração, uma zona bem polida e vistosa, para mim a menos interessante. Um mimo que, aliás, só tem uso no tempo seco, já que a estação das chuvas não tem fama de ser piedosa por estas latitudes.

Estes ‘templos’ da gastronomia mostram que este povo está em profunda transformação, abandonando, progressivamente, a tradicional pesca em favor do bem mais lucrativo – e menos duro – turismo. As redes ficam mais vezes esquecidas no barco e o artesanato local ganha metros em pequenas lojas nas principais ‘artérias’, sempre estreitas.

Não encontro gente com ar abastado, num povoado que é humilde e muito pitoresco. E, acima de tudo, GENUÍNO, que é o que mais amo em viagens.

Decido sair do trilho das barraquinhas de tudo e mais alguma coisa – onde deambula boa parte dos turistas que por aqui cirandam – e opto por percursos que rapidamente vejo não terem saída, que me obrigam a voltar atrás, ou equilibro-me por tábuas mal-amanhadas… que simplesmente acabam na extremidade. Cada metro quadrado conta e aqui não há espaço para arejar.

Senhora em Panyee

No coração de Panyee há uma inesperada clareira e uma casa que seria a que escolheria, caso aqui vivesse. Contemplo-a uma e outra vez, até a encaixar no visor do telemóvel. É quando alguém surge, na penumbra. Fico parado e aguardo – na verdade, faço figas para que saia, ajudando-me a um melhor registo, ao juntar-lhe o elemento humano – até que ela se mostra, sem se insinuar.

Confesso, fico siderado pela ‘tela perfeita’. E a minha vontade imediata é a de tirar fotos sucessivas, mas sinto que poderei estar a ‘roubar’ quando é muito melhor receber dado. É isso que me impele a baixar a relutante mão: a consciência.

Volto a levantar o braço, aponto para o meu apêndice tecnológico e depois para a senhora. A mensagem parece-me perfeitamente clara para ambos. Assim é, a sua cabeça assente. E ali fica, enquanto eu a tento fotografar, sem disfarçar ou refrear o indisfarçável entusiasmo.

Faltou-lhe o sorriso. Seria o suficiente para abrir a porta à minha ousadia de procurar uma forma – certamente rebuscada – de contornar a amálgama de barracas até encontrar a entrada para o seu lar…

Resignado, mas ciente de que tenho uma imagem que marcará esta viagem, seguirei caminho e falarei com o chefe da comunidade (acumula a liderança de mais três aglomerados piscatórios, escolhido com um conselho de anciãos) bem como com o seu imame.

Perceberei que o lixo é um problema crescente – os visitantes ainda não foram educados a levar de volta o que para aqui trazem – bem como a eletricidade, paga a um valor quatro vezes mais caro do que em terra firme. Dupla insularidade.

Campo de futebol em Panyee
Ilha em Panyee

O espaço é outro problema, pois não há para onde crescer. Roubar área ao leito do rio não é opção que as autoridades tolerem. Surpresa das surpresas, embora já o soubesse de antemão, um campo de futebol que é extensão natural na parte de trás desta aldeia onde vivem umas 1600 pessoas.

Já tinha visto, no museu da FIFA, na Suíça, um documentário sobre estes rapazes que, sem terra, construíram um campo de futebol flutuante, sem qualquer proteção. A inspiração veio na altura do Mundial do México1986 quando as crianças construíram o campo com pedaços de madeira velha e de inúteis jangadas de pesca. A sua persistência não foi em vão, uma vez que são uma das melhores escolas de futebol do sul da Tailândia. Oportunamente escreverei sobre isso.

Há igualmente uma escola, neste caso para os mais jovens. Os graúdos devem estudar em terra. Se querem uma oportunidade de abandonar uma vida nem por isso fácil, há que investir em madrugar e deitar mais tarde.

“É uma prova de caráter, querer e determinação. Sei que é cansativo, mas é para o seu bem, e eles sabem disso. Se forem bem-sucedidos nesta missão, nada os assustará na vida”, diz-me o imame da aldeia, responsável para que Allah não seja esquecido neste paradisíaco fim de Mundo.

Na verdade, nada lhes é facilitado no seu quotidiano, nem as responsabilidades do islão: “Isso nunca. A religião, a sua fé, tem de ser uma prioridade!”.

Família em Panyee

O mercado, com produtos do continente, limita-se aos bens essenciais, pelo que não é, compreensivelmente, dos mais fotogénicos.

A esta hora já te deves estar a perguntar como nasce uma aldeia flutuante? Pois bem, esta foi construída por pescadores sobre palafitas. Curiosamente, toda esta população, atualmente de 360 famílias, deriva de somente duas de pescadores nómadas malaios, que aqui aportaram no final do século XVIII.

Nessa época, a lei passou a limitar a posse da terra, ficando unicamente ao alcance dos tailandeses. Posteriormente, as regras ‘amaciaram’ e, face ao crescimento do turismo no local, foi possível comprar terras na ilha que é o rochedo à qual Koh Panyee está incrustada. Assim foi possível edificar uma mesquita, que se destaca pelos seus topos em vivo amarelo, o principal ponto de encontro da comunidade, e avançar para um poço de água doce.

A terra não é, contudo, porto suficientemente amplo e seguro para toda esta gente, que bem sofre na altura das monções. Esta tela de éden transforma-se numa outra coisa. Confesso que cresceu em mim indomável vontade de regressar, quando o turismo não quer saber de Koh Panyee e a melancolia toma conta desta pintura.

*** BORNFREEE viajou a convite do Turismo da Tailândia em Portugal ***

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

20 Comments

  1. Maria Pereira

    Fantástico poder aprender e contemplar estes cenários através dos teus olhos!!
    Acho que a maioria de nós teria muito a aprender com a resiliência e capacidade de sobrevivência deste povo 🙂 incrível.
    Obrigada por partilhares e descreveres de forma tao bonita cada imagem ♡

    1. Rui Batista

      Minha querida, OBRIGADO eu pelo teu olhar sempre atento e crítico 🙂 Acredito que um dia haverá uma viagem que partilhemos… Beijinho e boas aventuras…

  2. Clara Amorim

    Que maravilha! Vou partilhar!!!
    ❤️

    1. Rui Batista

      A ‘gerência’ agradece, minha querida 🙂 Beijinho e boas leituras…

  3. Fabíola Moura

    Que descoberta mais inusitada a ilha de Koh Panyee. Uma pena que muitos problemas causados pela ocupação humana ainda não foram solucionados. Vamos torcer para que a natureza seja de alguma forma preservada.

    1. Rui Batista

      É isso mesmo, Fabíola, temos de encontrar um equilíbrio. Para que estes pequenos paraísos, ao nosso olhar, persistam…

  4. Diego Cabraitz Arena

    Voltei da Tailandia a pouco tempo e não sabia deste lugar! Gostaria de ter conhecido, é bem interessante! Boa descoberta!

    1. Rui Batista

      Diego, foi mesmo dos meus favoritos… fica para quando regressares a este fantástico país 😉

  5. Ruthia Portelinha

    Que lindo quadro captaste com o telemóvel, o contraste de cores ficou perfeito. Não faz falta o sorriso, porque espelha a realidade. Muito curiosa em relação a essa escola de futebol. Que viagem inspiradora

    1. Rui Batista

      Yap… uma história bem bonita, pena não ter tido tempo/oportunidade para a aprofundar como desejava.

  6. Cintia Grininger

    Que lugar mais pitoresco essa ilha flutuante! Acho incrível conhecer a história do local, especialmente num lugar diferente como esse. Espero que o turismo não acabe canibalizando a história e a sobrevivência dos que ali vivem.

    1. Rui Batista

      Somos dois a desejar o mesmo, Cintia. O turismo, sem regras e controlo, pode mesmo canibalizar um destino…

  7. Miguel A. Goncalves

    Fantástico, Rui!
    Senti-me novamente lá! Estive aí em 2008, tinha apenas 13 anos, mas foi o lugar que mais me marcou na Tailândia! Genuíno, humilde e acolhedor!
    Gostei muito de ler esta experiência!

    1. Rui Batista

      Viva, Miguel! Excelente que deu para ‘voltares’ lá 🙂 E com 13… tens essas memórias ainda bem frescas? Abraço!

  8. Deisy Rodrigues Sousa

    Adorei a matéria, um local que nunca tinha lido e achei inspirador e as fotos estão maravilhosa.

    1. Rui Batista

      Obrigado, Deisy. Koh Panyee é mesmo um destino incrível… 🙂

  9. Marcela

    Pretendemos conhecer a Tailândia ainda esse ano e esse lugar já está na lista, graças a ti. Achei lindo o cenário de Koh Panyee 🙂

    1. Rui Batista

      Que bom, Marcela! Mas aguarda, pois tenho mais boas sugestões para vos dar :))) A próxima, Koh Mook 😉

  10. Vitor Martins

    Existem lugares por explorar que são um verdadeiro sonho!Este é mais um desses lugares.
    Obrigado pela partilha

    1. Rui Batista

      Nem mais, Vitor Martins. Saibamos preservá-los 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).