Rumo a Alexandria

O primeiro taxista tem um carro tao velho que nos surpreende como consegue andar. Abre a bagageira para metermos as malas… e tem uma corda e roupa a secar. Estimula o nosso sorriso. Na verdade, caberá lá a minha mochila e pouco mais. Agradecemos a gentileza, mas procuraremos plano B....

“Marca” Bornfreee

O mais importante desta noite? A possibilidade de deixarmos marca do grupo Bornfreee no Egito, à semelhança da viagem de estreia, à Geórgia/Arménia/Nagorno-Karabakh. As paredes estão ali. Demasiado preenchidas, mas abertas às linhas criativas do visitante. E o traço da Ana Isabel, que tão bem nos representa, mesmo que em...

Felinos “doces”

Subitamente, sou acossado por um felino. Enrosca-se às pernas de tal forma que mal me deixa caminhar. Um gato tao, mas tao dengoso… a um nível tal, que julguei estar ainda a sonhar. É por este querido – e por outros – que se torna impossível deixar de falar dos...

No fundo do Mar

  O silêncio impera. Silêncio aparente. Os sons propagam-se de forma diferente… A paz impera. Contagia. Enche-me a alma e o sorriso. Sonho… A beleza impera. Indiscritível. Um Universo esquecido. Assustador pela dimensão, cativante pelo que nos pode ensinar. É uma sorte viver este momento. Privilégio.

Mergulho frustrado

Ao baixar, a máscara continua a ceder. E não me parece que deva ser assim. O instrutor diz-me para ter confiança, mas afigura-se-me complicado, se continuo a ter água dentro da máscara, que é suposto proteger olhos e nariz. O desconforto é grande e crescente. O otimismo esmorece e a...

Upssss.. APANHARAM-ME!!

Os óculos “especiais” voltam à cena, ainda na esplanada do restaurante. Provocamos olhares e sorrisos. E mais olhares. E ainda mais sorrisos. E é nesse ambiente de festa que caminhamos 50 metros até ao bar mais animado. Nova esplanada. Mais sumos naturais (o de guava que bom que estava…) e...

El Gouna promete…

A noite é para calcorrear a zona central, onde nos encontramos. Desenhada para agradar. Bons restaurantes e múltiplos bares. Tudo para estrangeiros. Não há lugares perfeitos… Bom, na verdade, até parece que há. E é mesmo em frente ao nosso hotel. Piscina e mar, sereno. Areia branca e fina. DJ e...

Rumo a… El Gouna

Não quero, mas impossível resistir. O rosto não se vira para trás, mas os olhos fixam o retrovisor. E lá estão três braços bem no alto a acenar. Uma despedida que a todos tolhe e embarga a voz. Frustrante para quem fica. Duro para quem prossegue, deixando parte da alma...