O ‘miúdo’, a paixão e a hospitalidade do Uzbequistão.

O ‘miúdo’, a paixão e a hospitalidade do Uzbequistão.

Como é fácil no Uzbequistão sermos acolhidos como família…

No táxi onde vai apinhado, no banco de trás, com mais quatro mulheres portuguesas, Sardor descuida-se. Deixa perceber que a foto de ecrã do seu telemóvel foi tirada de véspera. Uma imagem de sorrisos e gentileza, a dois, com uma das belas donzelas do grupo Bornfreee no Uzbequistão.

Estamos a caminho de Urgut, um pequeno povoado junto às montanhas a uns 40 quilómetros de Samarcanda. Tínhamos ido passar o dia a Shahrisabz, Património Mundial da UNESCO e berço do adorado rei Amir Timur, e a aldeia do nosso novo amigo não fica muito fora de mão.

Tinha negociado com os três táxis serviço completo que incluía visita a Urgut, porém Sardor, talvez temendo que o seu sonho poderia não se realizar, antecipou-se e já nos espera no cruzamento que depois nos levará à sua terra. Após emaranhado de mal-entendidos, que o inglês não ajuda a resolver, transferimo-nos do nosso transporte para nos concentrarmos em apenas duas viaturas. Contando com Sardor e os condutores, há duas carcaças de quatro rodas a transportar 13. Numa das estradas mais esburacadas que já vi. Em que cada metro se arrasta como penoso quilómetro. Cada desvio de cratera na via dolorosa leva a condensada e espessa massa humana a baloiçar no interior e a despertar, inevitavelmente, necessidades fisiológicas.

A inevitável paragem, em longa reta, leva as meninas em apressada procissão rumo a casa desconhecida. Sardor, sempre cavalheiro, acompanha-as e explica à dona da propriedade ao que vão. Ficarei a saber que a missão é executada com êxito. Apesar de não se livrarem da companhia de uma vaca em ambiente muito básico, no qual uma tímida fenda no chão é a única indicação de que se está, realmente, num wc.

Sardor irradia luz. Mais do que honrado e feliz, sente que está a cumprir um sonho. Aos 20 anos tem sorriso meigo e sobra-lhe vontade de comunicar. Super delicado e educado. Para o que temos visto no país, veste bem e, nota-se, é de ‘boas famílias’. Estuda inglês há apenas dois meses e surpreende pela desenvoltura das primeiras palavras. Na véspera, enchera-se de coragem para abordar uma mulher do nosso grupo no mercado de Samarcanda. Ajuda-a a comunicar num inesperado conforto com a língua de Shakespeare que, afinal, num par de minutos veremos que não se confirmará.

Ficará connosco todo o dia – a sua sugestão de almoço, para o qual o convidamos, custar-nos-á o absurdo de 1.38 euros por pessoa, num Uzbequistão onde, mesmo esforçando-nos, nunca conseguimos ultrapassar os sete euros e tal, já contando com vinho e cerveja – e faz questão de nos convidar a visitar a família, que vive na pacata Urgut, a uns 40 quilómetros de Samarcanda.

Estamos a cumprir o seu sonho. Nos pouco mais de 20 esburacados quilómetros rumo à sua casa, insiste, uma e outra vez, que temos de ficar lá a dormir. Duas horas antes, ao telemóvel, a sua conversa era a mesma. E jamais encontrei ninguém tão persistente num convite.

“Têm de ficar. Amanhã vou mostrar-vos as montanhas. E a minha família ficará muito feliz e honrada por vos receber”. Esta frase será repetida até quase à exaustão. Seguida de um insistente “prometam-me que ficam”. Sardor está tão entusiasmado que não entende que, culturalmente, pode começar a roçar a inconveniência. Mas é jovem. Puro e inocente. Relevamos. É recompensador ver alguém assim feliz…

A sua irmã e cunhado desmultiplicam-se em sorrisos (sim, não faltam dentes de ouro, tão populares no Uzbequistão) quando nos recebem no portão de entrada para a ampla casa que toda a família habita, incluindo os pais e mais duas crianças e outros tantos adolescentes. Uma das salas tem uma mesa e em minutos já a estamos a rodear. Sentados no chão, como aqui se faz. Na presença dos dois taxistas, igualmente convidados, pois são quem nos levará de volta a Samarcanda.

A tradicional hospitalidade uzbeque é servida de chá e doces. Para os nossos padrões, a hora já exige salgados e ‘quentes’, porém nestas bandas as regras são outras. E, acreditem, os uzbeques são bem acolhedores, pois esta não será a única vez em que somos solicitados a entrar em casas alheias. Receber bem é mais apreciado do que a riqueza ou prosperidade. Não receber bem um convidado é como desgraçar a família.

Dizia então que, como manda a tradição, somos recebidos à porta com respeitosos cumprimentos que incluem a mão no coração. Somos desafiados a entrar e ficamos com os ‘melhores lugares’ à mesa, onde raramente os nossos anfitriões se sentam, imbuídos no frenesim de trazer chá e outros doces. Até nem um palito caber à mesa. Não cumprimos com a tradição antiga de homens e mulheres em mesas diferentes. Somos um grupo. Os pais de Sardor só chegam no dia seguinte, pelo que o chefe de família não presidirá à mesa. Na qual os convidados mais honoráveis ficam longe da porta da sala (seguindo a tradição, serei, provavelmente, o menos importante).

Todas as refeições começam e terminam com chá, que antes de ser serviço é deitado, três vezes, em chávena e devolvido ao bule. À quarta dá sorte e bonança. Quanto mais honorável o visitante, menor quantidade se serve. Quanto mais vezes este pedir chá, mais honra e respeita a casa. No início a mesa é servida com doces, frutos secos, nozes, frutas e legumes, depois vêm salgadinhos e no final serve-se o ‘plov’ (‘pilaf’, em vários países da região) ou outro prato festivo. Não chegaremos a este ponto. Será mais um motivo para Sardor insistir para que lá fiquemos a dormir, elogiando os dotes culinários da mãe que regressará apenas no dia seguinte.

O fim do convívio terá música e dança. Ambos tradicionais do Uzbequistão. Sardor não perde tempo e vai direto à portuguesa que encanta o seu olhar, mais disposta a usufruir e apreciar o momento do que iniciar uma dança a dois. Só no regresso a casa a nossa companheira de viagem saberá o quanto o seu brilho ‘cegou’ a efervescente juventude de Sardor.

Estamos bem. Sinto-me em paz. Deleito-me com o sublime prazer de saber que estamos a contribuir para tornar os nossos anfitriões nos mais felizes, entusiastas e agradecidos do Mundo. A quantidade de sorrisos e abraços no final diz-nos isso mesmo.

Sardor, obrigado por tudo. Certamente que um dia voltaremos…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

37 Comments

  1. Vitor

    Mais uma grande história contada de excelente forma, com o coração!!
    Obrigado Rui…a simplicidade do ser humano não para de nos surpreender..

    1. Rui Batista

      Obrigado, Vítor, e grande abraço! O Uzbequistão é destino que aconselho 🙂

  2. Travel Lover Blog

    Excelente post e as fotos ficaram excelentes 🙂 ainda não tivemos oportunidade de visitar mas certamente o faremos num futuro próximo!

    1. Rui Batista

      Acreditem que o Uzbequistão é destino que vale a pena 🙂 Boas aventuras!

  3. Marta Chan

    Estou com uma curiosidade enorme de conhecer essa parte do Mundo, Uzbequistão e todos aqueles paises vizinhos que terminam em ao.
    Ao ler o teu relato fui logo para Marrocos onde fui tão bem acolhida por famílias cheias de curiosidade do nosso país. E o chá o tempo inteiro tão bom!

    1. Rui Batista

      Marta Chan, nada há que se compare em viagem a estes momentos de partilha e quebra de todo o tipo de receios e barreiras 🙂 Se tiveres escrito sobre essa tua experiência, partilha comigo 🙂 Beijinho e boas viagens…

  4. Ruthia

    A beleza dos lugares que visitamos, não custa repetir até à exaustão, reside nas pessoas que se cruzam no nosso caminho. A amiga portuguesa não corre o risco de um dia se esquecer do Sardor e do seu país

    1. Rui Batista

      Ruthia, a amiga portuguesa não vai esquecer esse ‘elogio’ do menino Sardor, sem dúvida um excelente ser Humano. E, como bem dizes, a essência não custa repetir até à exaustão 🙂 Beijinho e boas viagens…

  5. Analuiza

    Sensacional!! Se não isso, estas trocas, qual a graça da vida?!

    1. Rui Batista

      Subscrevo na íntegra 🙂

  6. Camila Neves

    Muito legal esse post! É incrível ver histórias que nos fazem acreditar que ainda há muita bondade por aí 🙂

    1. Rui Batista

      Gente boa mesmo, Camila Neves 🙂 Beijinho e boas viagens…

  7. Andrea

    Esse mundão é realmente incrível….tantas culturas diferentes por aí e gente boa por todos os lados. Adorei a história. Parabéns.

    1. Rui Batista

      Obrigado, Andrea. Felizmente que o Mundo está repleto de gente boa mesmo 🙂 Beijinho e boas viagens…

  8. Wandering life - Catarina Leonardo

    Que maravilha Rui. Gosto mesmo da tua forma de escrever.
    Há realmente muitas pessoas boas em todo o mundo e isso é algo absolutamente fantástico de cofirmar quando viajamos. Somos toos iguais, apenas temos tradições diferentes.

    1. Rui Batista

      Obrigado, Catarina. A admiração é mútua 🙂 Sim, todos iguais… em diferentes circunstâncias. Beijinhos e boas viagens…

  9. Rafaella Machado

    Nossa que lugar diferente e ao mesmo tempo incrível a sua viagem. Incrível a sua viagem, conhecer a fundo a cultura e as novas descobertas de um dos lugares diferentes no mundo é sensacional, parabéns.

    1. Rui Batista

      Obrigado, Rafaella 🙂 Beijinho e boas viagens…

  10. ADRIANA MAGALHAES ALVES DE MELO

    Seu relato é sensacional, cheio de poesia, como sempre. Dessa forma, penetramos na história como participantes! Continue assim!

    1. Rui Batista

      Obrigado, Adriana. Deixas-me sem jeito 🙂 Beijinho e boas viagens..

  11. Ana Morize

    Uau, taí um destino que ainda eu não tinha parado para me imaginar nele. Gostei do seu relato com uma escrita toda particular e que nos prende a atenção

    1. Rui Batista

      Obrigado, Ana 🙂 Beijinho e boas viagens…

  12. Janete

    Parabéns pela capacidade de nos guiar com as palavras, tornando-nos espetadores destas narrativas. Gostei muito de conhecer o Sardor!

    1. Rui Batista

      Obrigado, Janete 🙂 É, realmente, um menino bom. Ainda a despertar de uma certa inocência. Beijinho e boas viagens…

  13. Diego Arena

    Adoro essa mistura de roteiros de viagem com histórias. Deixa o texto bem interessante. Obrigado por mais esse texto

    1. Rui Batista

      Obrigado EU pelas palavras, Diego 🙂 Abraço e boas viagens!

  14. Leo Vidal

    O que mais gosto ao ler seus relatos é a forma como você mostra países os mais não somos tão familiarizados no Brasil. Desperta a nossa curiosidade.

    1. Rui Batista

      Leo, tento mostrar os países da forma como os “vejo”, sendo que as pessoas são, sempre, a minha prioridade. Abraço e boas viagens!

  15. Roberta Lan

    Que povo mais doce! A gente está tão acostumado a desconfiar de tudo e de todos, que até me surpreende quando vejo relatos assim. Adorei!

    1. Rui Batista

      O Mundo está sempre a surpreender-nos, Roberta 🙂 Nomeadamente aquele mais distante do selvagem capitalismo…

  16. Anna Luiza

    Consegui me transportar um pouco pelo seu texto e suas fotos. Muito legal a experiência que você teve!

    1. Rui Batista

      Ainda bem, Anna Luiza 🙂 Obrigado, beijinho e boas viagens…

  17. angela sant anna

    quanto carinho e hospitalidade essa familia, adorei quando falou dos ~melhores lugares~! recentemente tive uma experiencia parecida, mas com a familia italiana do meu marido que ainda nao conhecia…mais de 30 pessoas nos receberam nas suas casas para ouvir as historias do brasil, encher as barrigas de comida boa e levar para passear por uma semana! detalhe q meu marido nao estava junto aheuae

    1. Rui Batista

      Tens de partilhar essa história, Angela 🙂 O Mundo anda bem necessitado de belos exemplos de humanismo e humanidade 🙂 Beijinho e boas viagens…

  18. Edson Amorina Jr

    Texto e fotos muito bons como usual. Bem interessante conhecer essa maneira de visitar o Uzbequistão, obrigado por compartilhar.

    1. Rui Batista

      Obrigado pelas palavras, Edson. Abraço e boas viagens!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).