A “Cidade que atropela os inimigos” é o principal centro de atração do país. Entre os séculos IX e XII foi capital do reino de Pagan, o primeiro a reunir as regiões que mais tarde constituíram a atual Birmânia.
Chegou a ter mais de 10.000 templos budistas, pagodas e mosteiros nas suas planícies, mas atualmente restam apenas 2.229. Localizado em zona sísmica, sofreu vários terramotos. Mais de 400 registados entre 1904 e 1975, quando se registou o maior, que danificou boa parte dos templos.
Nos anos 90, a junta militar promoveu alguns restauros, apostada em tornar Bagan um destino internacional, à semelhança de Angkor Wat, no Cambodja, com muitas semelhanças com este complexo. Especialistas e historiadores de artes internacionais criticaram duramente o processo. A pouca atenção ao estilo original, a implementação de materiais modernos, o pavimento e a construção de uma torre de vigia constituíram “suicida” trabalho de restauração. Estes erros custaram-lhe o desejado – e merecido – estatuto de Património Mundial da UNESCO.
Bagan é, ainda assim, o espirito de Myanmar. Diz-se que não é birmanês quem nunca visitou Bagan..

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).