Rumo ao orgulho de GORI

Rumo ao orgulho de GORI

Tbilisi começa a prometer viciar, pelo que é melhor partir já para o ‘país real’. Seguimos, por isso, para a efetivamente desinteressante Gori. Esta cidade industrial de 60.000 habitantes passaria ao lado do nosso mapa, não fosse o seu filho pródigo: Josef Stalin.
Com a bagagem as costas, experienciamos o eficiente metro. Frio como o bloco de Leste, porém bem barato (seis bilhetes por 1,3 euros). E cumpridor da sua missão. À superfície, já percebemos a loucura e irresponsabilidade da generalidade dos condutores.
Perto da estação central, procuramos a Marshutka certa. Como habitual em muitos países, os taxistas tentam ludibriar-nos para usar os seus serviços. Irredutíveis. A experiência é sempre gira. Zaza não fala inglês, mas faz proposta honesta e o seu confortável carro de sete lugares vai levar-nos. Acabaremos por o reencontrar…
Estamos no centro de Gori. Desinteressante, tudo à volta do museu de Estaline (Stalin) e da casa onde nasceu, que agora esta no centro da praça principal. Entramos?.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).