Em algumas culturas dizem que é sinónimo de atitude. Noutras, vincado traço de identidade. Uns lamentam os alegados estragos estéticos que provocam. Em todo o lado, podemos encontrar de diversos feitios. Aqui, no Irão, reconhecemos que, regra geral, são… proeminentes. Sim, falamos do nariz. De traço, persa.
O chador não tapa tudo. Pelo contrário, destaca ainda mais as…virtudes femininas. Ou que se lhe opõe.
Em Teerão é bem frequente encontrar narizes…”ajustados”. Proeminências sujeitas a orgulhosas plásticas. Em fase de cura final. E não pensem que são apenas as mulheres que recorrem ao bisturi.
Exclusivamente feminino são mesmo as sobrancelhas. Regra geral, muito trabalho (algum dinheiro) e um efeito claramente… dececionante. O mais anti-natural e inestético que se possa imaginar. A arte persa não faz escola nesta, nada natural e certamente pouco bela, criatividade. E fico-me por aqui, desnecessário ser mauzinho. Que estas modas não peguem em Portugal…  .

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).