“Porque à Índia não se chega, meu caro, na Índia caminha-se”

“Porque à Índia não se chega, meu caro, na Índia caminha-se”

Um excerto de uma India sorvida pelo escritor português Gonçalo M. Tavares.

“O rio Ganges é a mais importante biblioteca da cidade e o mais importante arquivo.
Não há verdade fora do rio, nem há mentira de qualidade, ficção ou mitologia, exterior às suas águas sujas. Mas as águas não são sujas, realmente tal expressão é um erro – corrige Anish. São águas complexas, o que é diferente.
Aqui a água não é um elemento de visita ao mundo dos homens, são os homens que estão de visita à água – e na Índia toda a gente o sabe.

(…) O que não é atraído pela água não é importante. A água é sagrada. Depois de mergulharem no rio as pessoas cantam mais, há quem saia da água com uma voz milagrosa e não há dançarina que na véspera de actuar não vá copiar do rio certos movimentos. É o único país onde a água embebeda mais que o vinho e seduz tanto como as mulheres jovens.”

Uma Viagem à Índia (canto VII) | Gonçalo M. Tavares

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).