Nesta zona do planeta os motoristas são excelentes. Ou verdadeiros inconscientes assassinos. Pelo que fazem na estrada, tento acreditar no bom senso da primeira. Voamos a grande velocidade até à fronteira. Mais uma vez, não conhecem o nosso visto triplo. Não colocam problemas, mas chamam os colegas para ver a novidade. A sair do Burundi, militar pede-me para ver máquina fotográfica. Sei que registei imagens normalmente proibidas, mas sempre se podem apagar. Tenta ver para trás, mas o botão está encravado e apenas consegue ver a última imagem. Nada a fazer. Siga. Butare é conhecida por ser a capital cultural do Ruanda. E a maior universidade do país. Estão os doutos estudantes de férias, mas nem por isso falta vida nas ruas. Após convenientemente instalados em albergue religioso – a fé faz sempre por se tratar muito bem em África e o St. Jean Baptist não é excepção – seguimos para a rua central, a própria estrada nacional, e logo aí surpreendidos com música e dança. Companhia de telemóveis anda em tournée pelo país. Dois jovens cantam em palco em cima de “TIR”, enquanto duas donzelas mostram invejável panóplia de dotes com as suas linhas bem trabalhadas. Não estranha, por isso, que a cidade tenha parado tudo a ver. Quando nos posicionamos e mostramos que também temos ritmo no corpo, olhares, sorrisos e comentários viram-se para nós. Quase sete euros/cabeça por buffet cheio de regras e alíneas quanto ao preço soube a simpática extorsão. Na capital, por melhor, em todos os sentidos, pagamos apenas dois euros. O Museu Nacional do Ruanda toma-nos a tarde. Muito interessante. No edifício mais moderno que vimos no pais. Térreo. Toda a história e modos de vida do país contados em texto, fotos e muitos utensílios. Somos os únicos visitantes, pelo que temos direito a guia. Estagiária. Demasiado informal, mas corre bem assim. Caminharia connosco de volta ao centro. Ensina-nos, por sua iniciativa, a dizer “branco bonito” (Musungo Besa). Com essa expressão brincaremos com dezenas. Quase com direito a clube de fãs. Quase… A rainha Astrid da Bélgica deixou catedral de respeito. Assistimos a parte de uma missa. Um quarto de ocupação dos lugares, sendo que na sua maioria são freiras. Que vemos, amiúde, passar em grandes e possantes jipes. Onde estão os fiéis? Para onde vai o dinheiro das ajudas internacionais? Aqui, a religião também é o caminho para a salvação… Ao jantar, no melhor restaurante da cidade, atacamos caracóis e coxinhas de rã, entre outras distintas e surpreendentemente bem confecionadas iguarias. Gikongoro é outro nome de vergonha. Mais genocídio. 50.000 assassinatos entre as 03:00 as 12:00. “Bom trabalho, rapazes”, disse, no fim, o chefe de operações. Terror em escola pública. Milhares de corpos, amontoados e mumificados, preenchem várias casernas. Mas não quero falar mais disto… O dia despertou com muita luz. Vá, vamos ver o que nos reserva o Uganda….

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).