Estarreja, o Mundo retrata-te a alma em cativante Arte Urbana

Estarreja, o Mundo retrata-te a alma em cativante Arte Urbana

Quando a Arte Urbana coloca um destino no ‘mapa’.

Dezenas de artistas plásticos portugueses e dos vários cantos do planeta uniram-se na arte de transformar uma cidade. Ou, melhor, foram desafiados a mostrar o como vêm a sua essência, a sua alma. Como resultado desta viciante criatividade, o ESTAU – Estarreja Arte Urbana está nas bocas do Mundo. Pelos melhores motivos.

“Um festival que coloca a Arte Urbana a falar com a cidade, com as pessoas, com o património e com a natureza”, como bem define a organização. Bornfreee.com testemunhou, in loco, como esse espírito é o principal ingrediente do harmonioso sucesso.

Aos portugueses Add Fuel e Tiago Galo juntaram-se, entre muitos outros, o italiano Millo e a espanhola Marina Capdevila. Ao todo foram cerca de 30 os artistas convidados com a missão de fazer crescer, ainda mais, a já de si muito rica rota de arte urbana de Estarreja. Mais do que chegar e fazer, os artistas são sempre desafiados a interpretar o território. O produto dessa simbiose está espalhado pelas paredes, ruas e prédios da cidade.

“Entrar na cabeça de Estarreja — pintada de fresco, coberta de tinta e de vida. O ESTAU obriga-nos a isso, a ir à Loja da Preciosa e perguntar pela Ilda, a percorrer os campos de arroz, a mergulhar nas ideias de Egas Moniz, a acompanhar o voo das garças vermelhas, a explorar ângulos e a visitar ruas e vielas, a imaginar como foi e como será Estarreja, a reinventá-la, às suas gentes e tradições. Existe um circuito, à espera de ser visitado. Se Kandinsky dizia que “tudo começa com um ponto” o ESTAU diz que a peça nunca acaba”, escreveu o jornalista do Público, Luís Octávio Costa.

É verdade que já não vai a tempo de participar numa das mais de 40 iniciativas do evento, entre workshops, filmes, palestras, música, circo contemporâneo e visitas guiadas (não há problema, é marcar já na agenda para 2019!!), mas o mais importante é a tal posterioridade que nunca acaba: são as dezenas de murais e instalações, permanentes, que proliferam por Estarreja.

Egas Moniz, que em 1949 foi galardoado com o Nobel de Fisiologia ou Medicina, era natural de Estarreja. À porta de casa deste génio amante das artes há uma inscrição que importa reter: “As grandes escolas das Artes plásticas são os Museus. Quisera um em cada cidade, em cada vila e em cada aldeia para que o povo se elevasse na comunhão espiritual do Belo”.

É verdade que já não teremos como cicerone o conhecimento e entusiasmo da Lara Seixo Rodrigues, curadora do ESTAU (e criadora da Plataforma de Intervenção Artística ‘Mistaker Maker’), mas temos dezenas de paredes a chamar por nós, a desafiar-nos para um sem fim de viagens imaginárias…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Explore mais

26 Comments

  1. Anna Luiza Santiago Magalhães

    Se tem uma coisa que eu amo nesta vida é a arte nas ruas. Que ela se multiplique cada vez mais. Adorei os painéis que você fotografou. Lindíssimos!

    1. Rui Batista

      Anna Luiza, é apenas uma pequena amostra das maravilhas que estão espalhadas pela cidade… vale MESMO a pena uma visita.

  2. Ruthia Portelinha

    Já sabia da Covilhã e da Amadora, de Estarreja ainda não. Acho a iniciativa fantástica e espero ir conferir em breve, num destes fins-de-semana de outono. Qual foi a tua obra preferida?
    Abraço

    1. Rui Batista

      Ruthia, vi umas 20 obras e, acredita, é difícil decidir. Muitas vezes, não é a obra em si… é até o enquadramento. Acredito que te vai deliciar… dá para umas belas caminhadas 🙂

  3. Vitor Martins

    Muito bom!!Já estive na Covilhã em algo parecido, mas não sabia da existência em Estarreja..Assim que puder nao falharei.

    1. Rui Batista

      Vítor, acredita que toda a família te vai agradecer 😉

  4. Gabriela Torrezani

    Que demais! Eu adoro esses festivais de street art, participei de um parecido com esse em Bristol na Inglaterra e foi incrível ver a transformação da cidade com a criação das obras de arte. Lindo!

    1. Rui Batista

      Gabriela, e como já vai na terceira edição… temos o ‘bónus’ de ir apreciando cada vez mais obras. E de ir vendo como a cidade vai se vai ‘transformando’, reforçando a sua identidade…

  5. Carla Mota

    E não é que logo aqui ao lado há tanta coisa para nos surpreender! Tu descobres tudo! :d

    1. Rui Batista

      Carla, se há quem descubra TUDO és mesmo TU! 🙂 Acredita que te vai surpreender muito, se fores apreciadora de arte urbana. Já me prometi voltar em breve 🙂

  6. Fabiana Garbelotto

    Gente, que post fantástico. Adoro arte de rua, pois traz mais vida e uma história!

    1. Rui Batista

      Concordo plenamente, Fabiana. Acho que todas as cidades ganham muito com esta expressão artística, sempre que enquadrada com o lugar e a sua história…

  7. Deisy Rodrigues

    Eu ao arte de rua, aqui em São Paulo a gente convive bastante com essa transformação na paisagem, mas nunca participei de um festival, contudo já vi vários artistas criando sua arte ao vivo.

    1. Rui Batista

      É um processo bem interessante, Deisy 🙂 Tive a oportunidade de assistir em Estarreja. Um dia volto a São Paulo para um roteiro… entretanto, aconselho Estarreja 🙂

  8. Tripping Unicorn

    Lindas fotos, arte maravilhosa. Confesso que não tinha ouvido falar de Estarreja, vai pra lista 🙂

    1. Rui Batista

      A arte urbana é um dos principais motivos para visitar Estarreja, mas não o único 🙂

  9. Michela Borges Nunes

    Que festival incrível! Pinturas lindas demais, achei muito interessante e não conhecia, por isso, gostei muito de ler e conhecer através do teu post.

    1. Rui Batista

      Obrigado, Michela. Senti-me na ‘obrigação’ de retratar a belíssima experiência que tive em Estarreja. Não deixes de visitar…

  10. LAIS CRISTINA ROANI

    Esse tipo de arte de rua me agrada muito,adoro ver como os artistas se expressam e como nos surpreendem. Lindas pinturas!

    1. Rui Batista

      Lais, sem dúvida tem imensas obras fantásticas. Que nos fazem ignorar o tempo, ‘preso’ a arte bela e invulgar.

  11. Edson Amorina Junior

    Que pinturas mais lindas, Rui. Nós gostamos muito de procurar os principais locais de grafite nas cidades que visitamos, muito legal a dica daí.

    1. Rui Batista

      Edson, temos gostos parecidos 🙂 Arte urbana é um tópico que me interessa cada vez mais nas minhas viagens, procurando as principais referências.

  12. Luciana Rodrigues

    Como a arte de rua cresceu e continua transformando de uma maneira radical muitas cidades do mundo. Adoro!

    1. Rui Batista

      É isso mesmo, Luciana. Muitas cidades ganham um colorido bem especial com esta nova forma artística…

  13. mariana antunes

    Eu sou quase uma caçadora de arte de rua, adoro ver e fotografar. É interessante ver cada uma com seu estilo e como ela transforma o local em que é colocada.

    1. Rui Batista

      É isso, Mariana. Temos gostos semelhantes… comparo-a a verdadeiros monumentos identificativos de uma cidade e cultura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Lançamento livro

“BORN FREEE – O Mundo é uma Aventura”

Este é o primeiro livro de um autor português, Rui Barbosa Batista, que nos leva a viajar por mais de 50 países, dos cinco Continentes, não em formato de guia, mas antes em 348 inspiradoras páginas, 24 das quais com fotografias (81).